Pular para o conteúdo principal

Festival da Mantiqueira: escritor infantil Daniel Munduruku critica a tipificação do índio

Colherada Cultural
Por Colaborador - 5 de abril de 2014
O autor foi a atração de uma das mesas do festival neste sábado / Foto: Adriano Escanhuela
O autor foi a atração de uma das mesas do festival neste sábado / Foto: Adriano Escanhuela
- Você é índio?
- Não.
- Mas você tem cara de índio, cabelo de índio.
- Eu não sou índio, eu sou Munduruku.
“A palavra índio está ligada a todos os estereótipos possíveis”, responde o escritor Daniel Munduruku quando lhe perguntam por que ele prefere não se auto-intitular “índio” mesmo tendo em seu sobrenome a marca inconfundível da etnia. Para ele, a etnia ultrapassa em importância e em todos os sentidos a simples denominação “índio”. Por isso é que o diálogo reproduzido acima, que ele fez questão de dividir com a plateia da mesa “O rio que corre na minha aldeia”, no VII Festival da Mantiqueira, é constante em sua vida e tem sempre o mesmo desfecho: “Sou Munduruku”.
“A ideia de que índio é preguiçoso, por exemplo, é uma das mais difundidas, mas na verdade o conceito de preguiça é capitalista porque vai na contramão da produção e do acúmulo. Índio não acumula, vive o agora. Para o índio guardar agora é ter depois”, explica Daniel com a tranquilidade que lhe é característica.
Daniel é autor de inúmeros livros adultos e infantis sobre a temática indígena, e ganhou o Jabuti em 2004 com “Coisas de Índio”. É diretor-presidente do Instituto UK’A – Casa dos Saberes Ancestrais e conselheiro do Museu do Índio do Rio de Janeiro. Entre uma mesa e outra, ele bateu um papo com o Colherada sobre as questões que levantou durante a Mesa.
Colherada Cultural – Você disse que lançar um livro é como lançar uma flecha. Você pensa no seu alvo antes de atirar, quer dizer, você pensa em quem é o seu leitor?
Daniel Munduruku - Eu não escolho o alvo. Depois que eu o escrevo, o livro faz um caminho que não está no meu controle. Mas eu sempre penso numa mesma coisa: mais do que atingir a criança, tenho que atingir o professor. A criança precisa de referências e na escola o professor é a referência dela, então é que eu tenho que alcançar se quiser chegar até o pequeno leitor. Eu só finjo que escrevo pra crianças, na verdade escrevo pros adultos (risos). Se o professor se encantar e conseguir passar esse encanto pra criança, o meu alvo terá sido atingido.
Livros do autor, que escreve histórias infantis / Foto: Divulgação
Livros do autor, que escreve histórias infantis / Foto: Divulgação
CC – É comum ouvir as pessoas dizerem que a literatura torna as pessoas melhores. Você acha que isso é um tipo de elitismo?
DM - Eu não acho que pra ser feliz a pessoa precise ler. Quer dizer, você pode ser feliz fazendo muitas outras coisas. A literatura é uma ferramenta como qualquer outra. Mas numa sociedade dividida em classes, às vezes ela se pode se comportar como elitista, e em outras como libertadora. Eu, quando uso a palavra literatura, estou me referindo à todas as manifestações culturais de um povo: dança, espiritualidade, etc. Minha fala em eventos como este nunca é só sobre o livro, e sim sobre a literatura enquanto manifestação. O livro é somente o objeto.
CC – O que você acha sobre a rotulação que se faz na literatura, de dividir os livros – inclusive o seu – em uma ou outra categoria?
DM - É algo muito quadrado isso de dividir os saberes em caixas. Eu venho de uma cultura em que os saberes são circulares e essa circularidade permite às pessoas que se realizem integralmente como seres humanos. Não existe alguém fazendo e outro aplaudindo porque todo mundo sabe fazer, é capaz. Na verdade esse sistema é todo feito pra que alguém se sobressaia e pra estimular a disputa.
CC – E como é a sua relação com o meio literário?
DM - É muito cheio de vaidades, sobretudo na chamada literatura adulta, que costuma se considerar melhor que o escritor infanto-juvenil. Acho que o escritores infantis costumam ter uma energia melhor, a sensibilidade deles é mais latente, menos atrelada a vaidades e mais preocupada com a simplicidade.
CC – Que dica de leitura você daria pros nossos leitores?
DM - Alberto Mussa. Os livros “Meu Destino é Ser Onça” e “O Senhor do Lado Esquerdo”.
Por Renata Penzani, jornalista, colaboradora do Colherada e autora do blogFurtacores.tumblr.comO Colherada Cultural está em São Francisco Xavier à convite da organização do evento.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…