Pular para o conteúdo principal

DM NA ESCOLA


Este é um programa especialmente elaborado e desenvolvido pela nossa equipe, no sentido de estreitar os laços e engrandecer os entendimentos sobre a questão indígena brasileira.

Educação Infantil

"O espaço da criança na comunidade indígena"

Palestra interativa, dança, pintura e música.
Tempo: 60'
Ensino Fundamental l

"Os indígenas e o meio-ambiente: uma relação de parceria"
Palestra interativa recheada de histórias. Dança, música e pintura.
Tempo: 60'
Ensino Fundamental ll

 "O universo mágico do indígena brasileiro"
Narrativa de mitos, dança, música, tira-dúvidas.
Tempo: 90'
Ensino Médio

"Ritualizando"
Uma gostosa conversa sobre ritos de passagem para o ensino médio.
Tempo: 2 horas


Temos ainda:
Cursos e palestras para professores: como trabalhar a questão indígena em sala de aula e aplicar a Lei 11.645/2008.
Workshop e oficinas para educadores.


Projetos especiais
Feira de livros, participação em eventos culturais, contação de histórias, oficinas de confecção de arte material...

Algumas Escolas visitadas:
Colégio Miguel de Cervantes, Colégio Pueri Domus, Gradet School, Colégio Humboldt, Colégio Santo Américo, Colégio Lourenço Castanho, Colégio Tujucussu, Colégio Carlitos, Colégio Santa Cruz, Colégio Vera Cruz, Escola Escandinava, Colégio Oswald de Andrade, Colégio Nossa Senhora das Graças, Colégio Miguel de Cervantes, Escola Internacional de Alphaville, Escola Comunitária de Campinas, entre outras...

Participação e  eventos:
Amazônia. BR Sesc Bauru, Sesc Pinheiros, Sesc Ipiranga, Sesc Vila Mariana, Sesc São Carlos, Sesc Ribeirão Preto, Sesc Belenzinho, Sesc Catanduva, Congressos de Educação em vários Municípios, entre outras participações.

Contato:
dmunduruku@gmail.com













Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…