Pular para o conteúdo principal

Xamã Yanomami publica livro único, ‘A Queda do Céu '

4 de novembro de 2013


Xamã Yanomami publica livro único, ‘A Queda do Céu’

‘A Queda do Céu’ é um conto único em primeira pessoa escrito pelo xamã Davi Kopenawa
‘A Queda do Céu’ é um conto único em primeira pessoa escrito pelo xamã Davi Kopenawa
© Harvard University Press
No primeiro livro já escrito por um índio Yanomami, Davi Kopenawa – xamã e porta-voz do seu povo – descreve a rica cultura, história e modos de vida dos Yanomami da floresta amazônica. 
‘A Queda do Céu: Palavras de um Xamã Yanomami’ é um relato único da história de vida de Davi Kopenawa, que lidera a Hutukara Associação Yanomami e que continua a defender os direitos de sua tribo ao redor do mundo.
Em seu livro, Davi relata a sua iniciação como xamã e os seus primeiros encontros com forasteiros – incluindo os garimpeiros que inundaram as terras Yanomami durante os anos 80 e causaram a morte de 1 em cada 5 Yanomami através de doenças e violência. Ele vividamente descreve as suas impressões da cultura ocidental em viagens ao estrangeiro, como em sua primeira viagem fora do Brasil, quando ele visitou a Europa em convite da Survival International.
‘A Queda do Céu’ é um pedido apaixonado pelo respeito aos direitos de seu povo e pela preservação da Amazônia.
O livro está disponível em francês e inglês, e uma versão em língua portuguesa será lançada em 2014.
Davi disse, ‘Esse livro é uma mensagem… para os brancos. Nós queremos ensinar os sonhos do nosso xamanismo… Eu espero que este livro vai valer para ensinar a cabeça dos brancos, para eles pensarem na nossa história’.
‘A Queda do Céu’ também desafia as percepções de que os Yanomami seriam ‘ferozes’ e violentos, como defendido pelo altamente controverso antropólogo Napoleon Chagnon.
O livro do Davi Kopenawa é um pedido apaixonado pelo respeito aos direitos de seu povo e pela preservação da Amazônia.
O livro do Davi Kopenawa é um pedido apaixonado pelo respeito aos direitos de seu povo e pela preservação da Amazônia.
© Fiona Watson/Survival
O livro foi escrito com a colaboração do antropólogo francês Bruce Albert, Diretor de Pesquisa no Instituto de Pesquisa pelo Desenvolvimento (em francês Institut de Recherche pour le développment (IRD)) e Vice-Presidente da Survival França. Ele tem trabalhado com os Yanomami do Brasil desde 1975.
Notas aos editores:
- ‘A Queda do Céu’ foi originalmente publicado em francês pela PLON. A tradução em inglês é publicada pela Harvard University Press.
- A Survival tem apoiado os Yanomami por décadas e liderou a campanha internacional pela demarcação do território Yanomami, junto da ONG brasileira Comissão Pró-Yanomami. O ‘Parque Yanomami’ foi criado em 1992,porém o território Yanomami continua a ser invadido por garimpeiros ilegais.
 
Leia sobre esta história na página da Survival na internet:
http://www.survivalinternational.org/ultimas-noticias/9706

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…