Exposição artesanal apresenta máscaras indígenas


A exposição “Índios do Brasil: os Remanescentes” começa nesta sexta-feira (9) e vai até o próximo dia 23 no hall do aeroporto Internacional Eduardo Gomes.

    Cacique Raoni Txucurramãe, que participa em Manaus de encontro entre lideranças indígenas.
    Cacique Raoni da etnia Txucurramãe, uma das etnias que estará representada na exposição (Euzivaldo Queiroz)
    Com a finalidade de valorizar a cultura local, além de aumentar a oferta de produtos artesanais, otimizando a difusão de informações dos diversos grupos étnicos existentes no Brasil, a Prefeitura de Manaus, por intermédio da Secretaria Municipal do Trabalho e Desenvolvimento Social (SEMTRAD) promove a Exposição “Índios do Brasil: os Remanescentes” que começa nesta sexta-feira (9) até o próximo dia 23, a partir das 10h, no hall do aeroporto Internacional Eduardo Gomes. 
    O evento refere-se aos trabalhos do paulista Alfredo Brondino, conhecido como “Magrão”. O artista desenvolve seus trabalhos em argila e descartes florestais, ou seja, cascas de madeira que ele recolhe trazidas pela correnteza do Rio Negro. “Magrão” esculpe rostos indígenas de diversos grupos étnicos, os quais possuem particularidades reproduzidas em seu rosto, tais como: pinturas, adornos, enfeites, penas, etc. “Cada vez que escolho uma etnia, pesquiso sobre ela. É uma chance de conhecer cada um deles. Com isso também adquiro conhecimento”.
    A exposição, dentro da cadeia produtiva do turismo, oportuniza aos turistas nacionais e internacionais, bem como para a população local um conhecimento acerca da diversidade cultural indígena do País. O acervo da exposição “Índios do Brasil: Os Remanescentes” compreende nove representações faciais de etnias indígenas e seus respectivos históricos de localização, população e aspectos culturais: UMUTINA, ZOÉ PORTURU, KAMAIURÁ, KAYAPÓ, MUNDURUKU, YANOMAMI, BOTOCUDO, SURUI PAITER e TXUKARRAMÃE.

    Postagens mais visitadas