26 de fev de 2011

JENIPAPO-KANINDÉ - Índios ganham direito à Lagoa Encantada

Clique para Ampliar
Índio Preá, da etnia Jenipapo-Kanindé, na Lagoa da Encantada, em Aquiraz. Toda a etnia está contente com a decisão, resultado de luta antiga na Região Metropolitana
FOTO: MELQUÍADES JÚNIOR
26/2/2011 
A comunidade de Aquiraz, que tem a primeira cacique mulher do Brasil, está em festa desde ontem
Aquiraz. Esta semana que acaba é provavelmente a mais importante em três décadas para uma comunidade dos povos do mar no Ceará. Os índios Jenipapo-Kanindé, em Aquiraz, agora são donos, de fato e de direito, da terra indígena Lagoa Encantada. 

A decisão, em caráter definitivo, veio do Ministério da Justiça e foi publicada no Diário Oficial da União na última quinta-feira. Vai para assinatura da presidente Dilma Roussef. A comunidade, que tem a primeira cacique mulher do Brasil, está em festa desde ontem, marcada pelos rituais indígenas.

É uma luta de 31 anos de resistência de um povo para permanecer no local que habita há séculos. Os índios são os donos naturais da terra, ainda mais as que habitam até hoje. A etnia travava uma disputa judicial, ao nível do Supremo Tribunal Federal, com o grupo Ypióca.
Estratégia
A principal estratégia para desconsiderar aquela como uma área de direito natural indígena era não reconhecer aquele povoado como índios. Mas ser índio transcende a ideia estereotipada de povos desnudos, pintados, o que muitos chamariam de "primitivos". A identidade indígena é cultural e transcende a ideia de como deve ser, ou não, um índio.

E quem quiser dançar o toré e beber mocororó, é só visitar o "pessoal da Encantada", em Aquiraz. Lá também é destino de turismo comunitário, o ano todo visitado por estudantes e pesquisadores. Desde ontem à tarde é festa na comunidade.

O mocorroró é feito com caju fermentado, bebida preferida pela turma do índio Preá, ou Heraldo Alves, filho de Maria de Lourdes da Conceição Alves, a Cacique Pequena. Com as indumentárias na cabeça e muita batucada, mais de 100 famílias da etnia Jenipapo-Kanindé comemoram a reafirmação da identidade.
Portaria
A Portaria nº 184 do Ministério da Justiça no Diário Oficial da União (DOU), de 24 de fevereiro de 2011, declarou o que esperavam os índios desde sempre, mais insistentemente a partir de 1980: "de posse permanente do grupo indígena Jenipapo-Kanindé a Terra Indígena ´Lagoa Encantada´, com superfície aproximada de 1.731 hectares e perímetro também aproximado de 20 quilômetros". E mais: "julgando improcedentes as contestações opostas à identificação e delimitação da terra indígena".
Exemplo
"Essa decisão é um reconhecimento dos direitos das populações tradicionais. A garantia dos territórios é fundamental para a reprodução cultural das comunidades, e esperamos que essa vitória venha acontecer para outros povos que ainda estão vivendo conflitos intensamente", afirma Rosa Maria Martins, do Instituto Terramar, que acompanha as lutas dos povos da zona costeira do Ceará. E são muitos os organismos, públicos e não-governamentais, que participam dos processos de identificação dos territórios indígenas junto à Fundação Nacional do Índio (Funai).

A notícia da delimitação das terras indígenas em Aquiraz também foi comemorada na Universidade Federal do Ceará (UFC). "É uma conquista extremamente importante, para assegurar em definitivo o usufruto e a permanência, a relação histórica e ancestral daquele grupo com seu território. Agora eles ficarão sem a pressão dos especuladores, dos que não os reconheciam enquanto índios, uma luta árdua tanto para as demais etnias do Estado quanto os articuladores", comemora o professor Jeovah Meireles.

O geógrafo é referência nacional nos estudos de reafirmação dos povos indígenas no Ceará e há duas décadas acompanha a resistência dos Jenipapo-Kanindé. Para os índios é considerado um dos padrinhos da luta, desde que incentivou os índios a não serem cooptados por especuladores que queriam que eles negassem suas identidades. Até mesmo Jeovah Meireles foi processado judicialmente pelo grupo Ypióca, com ganho de causa para o pesquisador.
Processos
Os índios, como outras etnias, passam por quatro principais processos até terem as suas terras garantidas de forma incontestável: a identificação (com auxílio de perícia antropológica se identifica um povo como pertencente à etnia), demarcação e delimitação das terras (caso de Aquiraz), homologação pela Presidência da República e posterior desintrusão. 

Essa última etapa significa a retirada de agentes ou grupos que tentam se apropriar das terras. No caso de Aquiraz, empresa na área terá de sair de áreas que estejam dentro do perímetro pertencente à etnia. Isso inclui a proibição da retirada de recursos hídricos da Lagoa Encantada.
Conquista"Era sonho estar viva para ver filhos e netos com a garantia que a terra é dos índios"Cacique PequenaLíder jenipapo-kanindé
"Conquista importante, para assegurar em definitivo o usufruto e a permanência deles"
Jeovah Meireles
Professor da UFC
MAIS INFORMAÇÕES 
Etnia Janipapo-Kanindé
Município de Aquiraz
Região Metropolitana de Fortaleza
Índio Preá: (88) 9444.8104
MELQUÍADES JÚNIORCOLABORADOR

Fonte: Diário do Nordeste
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

OUÇA A RÁDIO PORANDUBA

Postagem em destaque

TAWÉ - NAÇÃO MUNDURUKU - UMA AVENTURA NA AMAZÔNIA

TAWÉ - NAÇÃO MUNDURUKU - UMA AVENTURA NA AMAZÔNIA WALTER ANDRADE PARREIRA EDITORA DECÁLOGO (primeira edição publicada em 2006)   Prefaciei...

Total de visualizações

INSTITUTO UKA