Pular para o conteúdo principal

Riva: Índios da Região Noroeste pedem mudanças no Zoneamento Ambiental

Os deputados receberam ontem (11) sugestões dos povos indígenas da Região Noroeste ao projeto de Zoneamento Socioeconômico Ecológico. A proposta é o resultado da reunião feita pela comissão técnica do ZSEE em Juina no mês passado. Com a realização das 15 audiências públicas nas cidades-pólos e reuniões com os povos indígenas encerra-se o ciclo de debates da proposta e o relatório final deve ser apresentado e votado até o final deste mês.

“A Mesa Diretora procurou de todas as formas discutir com a maior amplitude possível a situação de cada segmento, especialmente, da comunidade indígena que muitas vezes se sentiu inibida em participar das discussões. Então, a Assembleia oportunizou a ida dos técnicos a Juina e Água Boa exatamente com o propósito de discutir todos os assuntos que dizem respeito a comunidade indígena, pelo respeito que temos com todas essas etnias”, afirmou o presidente José Riva (PP).

Ele informou que a partir de agora a comissão vai analisar as sugestões e, na medida do possível, atendê-las. Riva explicou que sobre os pontos que não forem atendidos, os líderes indígenas serão convocados pela AL para novo debate. O presidente disse também que a proposta deve ir a Plenário ainda neste mês.

De acordo com o presidente da Comissão Especial, deputado Dilceu Dal´Bosco (DEM), as sugestões podem ser perfeitamente acatadas. “Ao analisar as propostas não vi grandes dificuldades de serem implantadas. É praticamente o que nós brasileiros queremos: o desenvolvimento sustentável”, destacou.

O chefe da etnia Rikbatsa, Francisco Rikbatsa demonstrou que a preocupação da comunidade é com a preservação do meio ambiente. “A gente trouxe o documento para pedir ações que preservem as matas e os rios”.

O relator da proposta, deputado Alexandre Cesar (PT) informou que a comissão já trabalha na sistematização das sugestões e no encaminhamento das propostas que não fazem parte do ZSEE. “Muitas propostas, questionamentos e denúncias foram feitas durante o processo de consulta popular e entendemos que é um momento importante para encaminhá-las para os poderes constituídos”.

Documento – No documento entregue à Comissão Especial do ZSEE os povos indígenas Rikbaktsa, Parecis, Irantxe, Myky, Enawene Nawe, Nambywara, Cinta Larga, Arara e Zoró afirmam que levantaram os problemas do entorno das terras e citam invasão de madeireiras, garimpeiros, fazendeiros, exploração ilegal de madeira, minérios e outros recursos naturais.

“Todos nós falamos sobre os problemas da poluição dos rios, do desmatamento nas cabeceiras e das matas ciliares e estamos muito preocupados com as nossas futuras gerações. Este documento apresenta os problemas que levantamos juntos. Consideramos importante vocês conhecerem as nossas preocupações que provocam os impactos que nossos povos vêem sentindo”, diz trecho do documento.


Autor: ITIMARA FIGUEIREDO/ Assessoria
Fonte: O NORTÃO

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…