Pular para o conteúdo principal

O Memorial da América Latina, em São Paulo, organiza a exposição "Viagem Noturna - Arte Indígena: Preservação" de 28/junho a 3/agosto.

Memorial da América Latina convida a todos a uma 'Viagem Noturna' ao acervo indígena, exibe filmes e discute as questões da preservação e identidade

“Quando falamos em preservação, nos referimos a objetos que fazem parte de uma cultura, que não foram feitos simplesmente por fazer, senão que compõem uma narrativa de simbolismo e tradição”
Daisy Estrá, curadora

A Fundação Memorial da América Latina abre a exposição “Viagem Noturna – Arte Indígena: Preservação” em 28 de junho, na Galeria Marta Traba, com entrada franca.
A mostra propõe ir além da beleza plástica dos objetos. Busca uma reflexão sobre a cultura material do índio, a perda e a reconquista de suas tradições. Para esta “Viagem Noturna”, foi construído um ambiente à meia-luz que leva em conta a fragilidade das peças, protegendo-as de danificação.
Organizada por especialistas familiarizados com a cultura indígena, tradicional e atual, o acervo da Cid Collection sob a guarda do Memorial conta com aproximadamente 1.200 objetos da cultura material indígena de produção recente, com suportes e dimensões variados. As peças que compõem a coleção foram divididas em 11 categorias: adornos plumários, trançados, grafismos, cerâmicas, instrumentos musicais e de sinalização, armas, indumentárias e adornos de matérias ecléticos, objetos tecidos, utensílios e implementos, objetos rituais, mágicos e lúdicos e objetos de comercialização.
Os objetos expressam as culturas de diversas etnias como Xicrin (PA), Bororo (MT), Xingu (MT), Yanomami (AM e RR), Karajá (TO), Urubu-Kaapor (MA), Zoró (RO), Wayana (PA), Wajãpi (AP), Rikbaktsa (MT), Koxinawá (AC) e passaram por diversas etapas de restauração e conservação desde que chegaram ao Memorial.
Serão exibidos continuamente os documentários “Xingu Terra”, 1979, de Maureen Bisilliat, com fotografia de Lucio Kodato e narração de Orlando Villas Bôas, e “Iauaretê/Cachoeira das Onças”, 2006, de Vicente Carelli, além de uma filmagem sobre a conservação e restauração do acervo indígena no Memorial. Está programada também uma mesa redonda, com a participação de especialistas (representante indígena, conservador/restaurador, museólogo e comerciante), que discutirão o tema da Preservação.
O Memorial passou a ser guardião temporário do Acervo de Arte Indígena da Cid Collection, ligada ao Banco Santos, em dezembro de 2005, por resolução judicial (processo 2005.61.81900396-6, 6ª Vara Criminal Federal Especializada em Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional e Lavagem de Valores, em processo de tombamento – resolução 14/CONPRESP/2005).
Saiba mais: Memorial aceita desafio de recuperar acervo indígena

Ficha técnica:
Curadoria da Conservação
Daisy Estrá
Coordenação Geral
Adriana Beretta
Conceituação do roteiro de textos e imagens
Maureen Bisilliat
Cenografia e Montagem
Marcos Albertin
Produção
Ângela Barbour
Trilha Sonora
Carlos Dourado

“Viagem Noturna – Arte Indígena: Preservação”

Período: 28 de junho a 3 de agosto
Entrada franca
Galeria Marta Traba - Fundação Memorial da América Latina
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda (portões 1 e 6)
Funcionamento: e terça a domingo, das 9 às 18h
Tel.: 3823-4600

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…