Pular para o conteúdo principal

PRIMER FORO INTERNACIONAL Mujeres Indígenas, Compartiendo Avances para Nuevos Retos em Lima, Peru.

Vai acontecer de 13 a 16 de abril de 2008, o PRIMER FORO INTERNACIONAL Mujeres Indígenas, Compartiendo Avances para Nuevos Retos em Lima, Peru.
Algumas mulheres Indígenas do Brasil estarão presentes representando suas Organizações, mas não tivemos acesso aos nomes de todas. Soubemos que Graça Tapajós da Coiab, Mirian Terena do Conami estarão no Fórum.

A organização do Fórum de mulheres Indígenas do Peru, previamente, enviou uma Convocatória solicitando que as organizações se inscrevessem e enviassem o perfil. O GRUMIN E O INBRAPI enviaram o nome de Eliane Potiguara (para representar essas organizações) que estará oficialmente num Painel denominado Propriedade Intelectual, Conhecimentos Tradicionais e Biodiversidade. O INBRAPI, em parceria com várias organizações indígenas e entidades, acaba de realizar o Caucus Indígena Internacional sobre o tema (abril 2008)/Brasília, reunião preparatória à Conferência da COP-9 sobre Biodiversidade. As organizações e pessoas filiadas ao Inbrapi participaram ativamente das oficinas regionais (Norte, Sul, Leste e Nordeste e Centro-Oeste) em todo o ano de 2007 e 2008 que tratou da Consulta Publica Nº 2 do CGEN/Ministério do Meio Ambiente. Tudo isso legitimado pelo Projeto Eg To Jykrén.

O Inbrapi, através da jovem indígena Dra. Fernanda Jófej Káigang, está há anos estudando o tema e participando do processo local, estadual, nacional e internacional. A escritora e poeta Eliane Potiguara, 57 anos, diretora de Comunicação do INBRAPI e diretora-Executiva do GRUMIN vai apresentar um PPS intitulado “Mulheres na Construção e Preservação, da Cosmologia Indígena”, numa linguagem popular, baseado nas discussões sobre medidas para coibir a apropriação e uso indevido dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas e na solicitação de que o Estado crie e implemente as leis nacionais, assegurando os direitos humanos dos povos indígenas, segundo o artigo 22 da CDB ( Convenção da Biodiversidade Biológica). A apresentação está marcada a princípio, para o dia 14 de abril de 2008, no Painel Propriedade Intelectual, Conhecimentos Tradicionais e Biodiversidade. Concluído o Fórum, o Inbrapi e Grumin disponibilizarão o material na Internet através dos sites organizacionais.

Os temas serão:
1-Globalização e Mulheres Indígenas
2-Território, Meio ambiente, recursos naturais e efeitos do câmbio climático.
3-Propriedade Intelectual, Conhecimentos Tradicionais e Biodiversidade.
4-Comunicação e Tecnologia da Informação.
5-Reforma da ONU: Processos de Paz e Segurança do Mundo.
6-Mulheres Indígenas e Direitos Humanos
7-Racismo e Descriminação.
8-Saúde Sexual Reprodutiva e Prevenção da Aids.
9-Gênero, Cultura, Violência e atribuições das defensoras dos Direitos Humanos.
10-Educação Intercultural: Acesso, indicadores e qualidade nas políticas educativas para a infância.
11-Oportunidades Educativas Interculturais para as Mulheres Indígenas.
12-Economia e Mulheres Indígenas: Onde está o Dinheiro para as Mulheres?
13-Políticas contra a pobreza, acesso a créditos e iniciativas de Mulheres Indígenas
Outros temas serão também debatidos.

Informa grumin/rede de comunicação indígena

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…