Pular para o conteúdo principal

Notícias dos povos indígenas

Suspensão de retirada revolta índios em Roraima
A Polícia Federal começou ontem a desarticular a Operação Upatokon 3, que mobilizou desde 27 de março quase 500 homens com o objetivo de retirar os grandes arrozeiros instalados no interior da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. Enquanto os arrozeiros e o governador comemoravam a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu a retirada dos não-índios da reserva, entre os indígenas o clima era de revolta. "Os arrozeiros recorreram à violência, ao terrorismo e à guerrilha para atropelar a lei, para pisar naquilo que está escrito na Constituição do País, e acabaram sendo premiados com essa liminar que favorece os interesses deles", disse Dionito de Souza, coordenador-geral do Conselho Indigenista de Roraima - OESP, 11/4, Nacional, p.A10.

Governo perde e STF mantém PF fora de reserva
Os ministros do STF negaram, em decisão unânime, recurso da União que pedia a continuidade da operação para retirar não-índios da Terra Indígena Raposa Serra do Sol. Mesmo com a derrota, o advogado-geral da União, José Antonio Toffoli, disse que o julgamento foi "importante" para "deixar claro" que a Força Nacional de Segurança e a PF podem continuar mobilizadas na área até que o mérito das ações sobre a ocupação da terra seja julgado. Ontem, documento divulgado pelo Conselho Indígena de Roraima insinua que os índios favoráveis à expulsão dos arrozeiros podem agir para retirá-los da área. "Já esperamos demais. Tivemos calma, mas agora basta", diz o texto - FSP, 11/4, Brasil, p.A11.

Bispo critica decisão do STF
O bispo de Roraima, dom Roque Paloschi, criticou ontem a decisão do STF de suspender a retirada de não-índios da Terra Indígena Raposa Serra do Sol. "Sabemos o quanto de sofrimento isso provoca nos povos indígenas", afirmou o bispo. A CNBB aprovou moção em apoio aos povos indígenas das terras em Roraima. O ministro Carlos Ayres Britto reafirmou que apenas 1% da área está ocupada por não-índios, que representam 6% da economia de Roraima. O vice-presidente do Supremo, Gilmar Mendes, que assume a presidência no próximo dia 23, prometeu que a votação do mérito das ações judiciais sobre Raposa Serra do Sol acontecerá ainda no primeiro semestre. Uma das decisões que deverão ser tomadas pelo relator Ayres Britto é sobre a opção do governo pela demarcação contínua da reserva - OESP, 11/4, Nacional, p.A10.

General: terra indígena ameaça soberania
O comandante militar da Amazônia, general Augusto Heleno, criticou ontem duramente a demarcação em terras contínuas da reserva Raposa Serra do Sol. Segundo o general, o território assegurado com exclusividade aos índios ao longo da fronteira do país e outros benefícios previstos em lei podem pôr em risco a integridade e a segurança nacionais. É a primeira vez que o general fala publicamente sobre o assunto, embora esta seja uma posição antiga predominante nas Forças Armadas. "Preocupa a demarcação em terras contínuas, aliada a outras circunstâncias, como chamar algumas etnias de nações indígenas, bem como o que está escrito na declaração de direitos dos povos indígenas. No meu ponto de vista, isso começa a ser uma ameaça à integridade nacional e à segurança nacional", disse o general - O Globo, 11/4, O País, p.9.

Assassinatos de índios crescem 62% em 2007
O número de índios assassinados no Brasil aumentou de 57 em 2006 para 92 no ano passado, um crescimento de 62%, como aponta o relatório Violência contra os povos indígenas. O documento foi divulgado ontem pelo Cimi. O número é o maior desde 1988, quando o Cimi começou a fazer levantamentos anuais. O Estado de Mato Grosso do Sul tem sido o local com maior registro de casos: 53 assassinatos em 2007 - 99% maior que em 2006, quando 27 índios foram mortos. O relatório também chama a atenção para a situação no Maranhão, onde ocorreram dez assassinatos, e em Pernambuco, com sete homicídios. "Os dados mostram que um verdadeiro genocídio continua em curso no Mato Grosso do Sul", afirma a antropóloga Lúcia Helena Rangel, PUC-SP e coordenadora do estudo - OESP, 11/4, Nacional, p.A10; FSP, 11/4, Brasil, p.A11.

Terra indígena na fronteira ameaça a segurança do País? Sim

"O Exército e a Polícia Federal não podem, em hipótese alguma, ter de pedir licença ao cacique para entrar em áreas indígenas, ainda mais neste momento em que há riscos de invasão do território nacional por guerrilheiros ligados a traficantes. Não tenho dúvidas de que, no julgamento do mérito, o STF dará a vitória aos arrozeiros, que foram se instalar no Estado com a promessa de que poderiam permanecer lá, bem antes da criação das reservas. O ideal é que as reservas indígenas tenham seu tamanho reduzido. Elas não podem, também, por uma questão estratégica, ser situadas nas chamadas faixas de fronteira. Precisamos manter o controle absoluto sobre as nossas divisas", artigo de Geraldo Cavagnari, coronel da reserva do Exército - OESP, 11/4, Nacional, p.A10.

Terra indígena na fronteira ameaça a segurança do País? Não

"Durante o governo Collor de Mello, duplicamos a superfície de terras indígenas no Brasil. Dentre tantas demarcações, sobressaía a Terra Indígena Yanomami pela localização geográfica, situada em grande parte em área de fronteira. Naquela oportunidade, levantaram-se muitas vozes contra a demarcação. Mais de 15 anos se passaram e a Amazônia brasileira continua tão brasileira como antes. Então onde, na verdade, reside o perigo? A demarcação das terras indígenas não fraciona o território brasileiro. Portanto, Roraima não perde território e o Brasil não está na contramão da história ao adotar ações em consonância com os princípios universais de direitos humanos, reconhecidos pela ONU", artigo de Sydney Possuelo, sertanista e ex-presidente da Funai - OESP, 11/4, Nacional, p.A10.

Festival de bufês
A Editora Universidade de Brasília (UnB) gastou cerca de R$ 370 mil em recepções, decorações e viagens para eventos no ano passado. Tudo sem licitação, com dinheiro que deveria ser destinado à melhoria da saúde dos povos indígenas. Boa parte financiou almoços e jantares oferecidos pelo reitor Timothy Mulholland, em espaços privados e requintados da capital do país. As despesas foram pagas por meio de conta bancária mantida com recursos públicos pela Editora UnB, subcontratada pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico na Área de Saúde (Funsaúde) para executar projetos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) - CB, 10/4, Cidades, p.33 e 34.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…