Pular para o conteúdo principal

O QUE SOU SÓ SERVE PARA MIM.

[ Mais um texto da série "Crônicas a Granel"]

O QUE SOU SÓ SERVE PARA MIM.
[À Cristino Wapichana]

Minha vida é um poema que escrevo a cada dia. Seus versos, sua métrica, seus sentidos, significados e significantes são palavras que componho a cada nova ação, a cada nova atitude, a sempre nova escolha que faço.
É assim que penso a biografia de cada pessoa. Entendo que cada um escreve, compõe seu verso único em sintonia consigo mesmo, com seus amores, com suas dores. A vida dos outros não é para ser seguida. Biografias não são para serem imitadas. Menos ainda interpretadas. Olho para cada pessoa como um poema único. Poema é para ser lido, não para ser interpretado. Acho que interpretar poema é a coisa mais sórdida que alguém pode fazer, na escola ou na vida.
Olhar para a biografia de alguém é bom. Deve-nos servir de inspiração nunca modelo. Acompanhar suas vitórias, suas glórias, seus tropeços, suas derrotas, seus sorrisos, seus choros devem dizer algo para nós. Cada pessoa é um poema e poema não é para ser interpretado. A interpretação fere o poema, fere quem o compõe. Gosto de pensar no outro, na pessoa lida como uma poesia inacabada, um texto que se está escrevendo e que seu final pode ser surpreendente.
Interpretar é dar sentido, significado ao que é lido. Interpretar é como desvendar o que não pode ser desvendado; é tentar descortinar o que só pode ser visto sob o véu do mistério; é revelar o que nos parece oculto, segredo, mistério. É tentar imaginar o que está por trás das palavras ainda que seu autor não o tenha dito. É roubar palavras de quem escreveu para acrescentar suas próprias palavras. É, então, iludir a si próprio. O poema-vida de outrem não é para ser interpretado, revirado, deslocado, desfocado, desalinhado, desbaratado. Se o fizermos, cometemos um erro imperdoável.
É assim que imagino minha biografia. Ou melhor, quase biografia. Biografias são vidas já vividas, completas e que já desvendaram seu final. Prefiro achar que estou no processo de escrevê-la. Como ainda não cheguei ao final do meu poema-vida também não o poderei dar como concluído.
Sei, no entanto, que muitos querem me interpretar. Sei que tem gente que olha para o poema que escrevo buscando significados e significantes. Sei que tem gente que quer desvendar os mistérios que pareço revelar pela escrita que faço, pelas falas que calo, pelo silêncio que falo. Sei que tem gente que procura nas entrelinhas do meu poema-vida alguma brecha onde eu revele meus sonhos, meus medos, meus segredos ocultos.
Não posso condenar quem age assim. Não posso dizer para não fazê-lo, pois imagino que precisam jogar o jogo da interpretação que pede explicação mental ao que não consegue apenas sentir. Não fico olhando a biografia dos outros para roubar-lhes sentidos ocultos. Queria que as pessoas não lessem minha (quase) biografia tentando me desvendar com suas manias de interpretação, seus desejos de dar sentido ao que vivo.
Quero dizer logo de chofre que o poema-vida que escrevo é meu, apenas meu. Não escrevo para que me leiam buscando respostas para seu próprio poema-vida. Meu poema-vida escrevo para meu deleite. Somente eu sei a força que tem um pôr-do-sol. Apenas eu sei a necessidade de ouvir o canto dos pássaros logo pela manhã ou entender a nostalgia feliz que me invade quando sinto o tempo nublar transformando o dia no dia mais feliz de minha vida. Somente eu sei por que gosto de olhar as águas correntes de um rio. Somente eu sei o que é ouvir histórias não interpretáveis da boca de um ancião. Sei o rebuliço que estas palavras provocam no meu peito, no meu ventre, no meu ser. Não adianta tentar “ver por trás das palavras”. Isso é ilusão. A vida é uma ilusão. Ou melhor, uma alusão. Cada um escreve seu poema-vida. Pode ser que outros poemas-vida o inspire. Isso acontece. É bom que aconteça. É para isso que servem nossos olhos: para ver. É bom não ficar doente dos olhos. Especialmente dos olhos da alma. Ler o poema-vida dos outros com os olhos da alma é enxergar na escuridão, é ter uma epifania cósmica. É ver de olhos fechados. É intuir que o melhor poema ainda será escrito. E será sempre o seu.
Não me leiam buscando respostas. Elas não servem para você. Minhas respostas são minhas respostas para o drama do existir. Do meu drama de existir. Se por algum motivo ainda assim você queira ler meu poema-vida, que seja para se inspirar e compor seu melhor poema-vida: você.

De resto, saiba que somos poemas-vidas que navegam os mesmos mares. Neles há turbulências, sacolejo, sacrifícios, sacrilégios. Quero ler seu poema-vida não para ser você, mas para que me inspire a escrever o meu próprio poema. Somos versos únicos. Somos Uni-Versos.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…