Pular para o conteúdo principal

EM NOITES SEM LUA, HISTÓRIAS DE TERROR.

EM NOITE SEM LUA, HISTÓRIAS DE TERROR
As férias escolares no meu tempo de estudante eram bem diferentes das de hoje em dia. O ano escolar acontecia de março a novembro. Nos meses de férias eu ia para a aldeia. Lá eu esquecia da escola, de seus professores, exames e provas e também de suas tarefas. Esquecia também dos colegas chatos, dos apelidos que eu recebia e das provocações que me dirigiam. A aldeia era algo sensacional para um menino-quase-homem. Lá eu revivia muitos momentos gostosos, reaprendia costumes, palavras, gestos. Retomava a culinária composta por muita mandioca e seus derivados, peixes diversos, carnes de caça, cará, batata doce, inhame e frutas em geral. Também ouvia as histórias dos adultos e dos velhos. Corria no mato e nadava nos rios. Estas são lembranças muito felizes para mim!
Nossa aldeia não tinha energia elétrica, mas isso não nos impedia de criar jogos e brincadeiras o tempo todo, inclusive na parte da noite quando tudo ficava um breu principalmente em noites sem lua. Infelizmente, o dia terminava cedo para nós e nem sempre a gente podia ficar muito tempo acordados porque o dia seguinte começaria muito cedo. Além disso, os avós diziam que a noite foi feita para a gente dormir e sonhar. Somente em ocasiões bem especiais se podia ficar acordado por mais tempo.
Algumas vezes a gente quebrava a regra, claro. Os adultos iam dormir com as crianças pequenas e nós, meninos-quase-homens, queríamos desafiar a noite enluarada. Nessas ocasiões a gente ficava conversando por muito tempo. Ou mesmo ficar observando quando casais adultos saiam escondidos para namorar no escuro da noite. Algumas vezes a gente seguia-os para ver o que iriam fazer e aonde iam se deitar. Acontece que quase sempre a gente era descoberto antes de nos aproximarmos porque os meninos são sempre barulhentos quando estão juntos. O casal jogava objetos na gente para os deixar em paz. A gente saia gargalhando dali e ia para outro lugar. Era muito bom!
Em outras ocasiões, os avós se reuniam em torno de uma fogueira para conversar, trocar ideias e impressões sobre a vida, o universo, a natureza. Falavam de Deus, da criação do mundo, dos espíritos da floresta, das doenças modernas e das confusões que os jovens aprontavam. Discutiam política interna e externa e contavam histórias antigas. Quase sempre a gente podia participar, pois era um momento aberto a todo mundo que quisesse. As mulheres logo preparavam algum alimento como café, chibé, pirão, tapioca ou beiju para que todos comessem e ficassem atentos. Cada família trazia alguma comida e muitas histórias para compartilhar. Era um instante comunitário muito interessante para todos nós.
Nessas reuniões se falava de tudo, mas quase sempre a conversa se transformava em histórias no final. Contava-se histórias de amor que faziam os casais suspirarem; de alegria, humor ou anedotas em que os contadores retratavam passagens da vida real; de encantamentos que eram aquelas histórias fantásticas, cheias de magia a nos lembrar nosso lugar no mundo; de terror, histórias de espantar ou assustar as criancinhas. Essas, eram contadas pelas mulheres mais velhas. Eram narrativas de como os seres da floresta raptavam as criancinhas para serem devoradas em rituais em noites sem lua. Algumas ensinavam o medo, o pavor e a burrice que era tentar enganar a morte. – A morte não se engana, meus netos. Ela é certeira. Pode até demorar um tiquinho para uns e outros, mas ela vem com toda certeza. Para vivermos muito temos que nos aliar à morte e não desafiá-la. Quem a desafia acha que está vencendo, mas no final ela ri por último.
Era assim que as avós começavam a contar as histórias antigas em que os antepassados desafiavam a morte. A gente ficava quietinhos para ouvir. O único barulho era o do fogo ardendo ou do pio da coruja inquieta no galho da árvore. Meninos e meninas tínhamos medo de nos levantar para ir ao mato fazer xixi e também porque não queríamos perder nenhuma parte da história que se arrastava por horas. Algumas vezes a avós não terminavam de contar uma história e deixavam o final para o dia seguinte. A gente ficava frustrados, claro, mas torcendo para a noite seguinte chegar logo para conhecermos o final do conto.
Quando a gente voltava para casa a história continuava dentro da gente. Nossos pais e irmãos mais velhos falavam suas próprias experiências e a roda de histórias continuava por mais alguns minutos ate que todos nos aquietávamos nas redes e ouvíamos nossos pais desejarem boa noite para nós, lembrando-nos que no dia seguinte a vida continuava e que precisávamos acordar cedo para que o dia fosse muito proveitoso.

Eu demorava um pouco a dormir. As histórias me intrigavam muito e minha cabeça dava muitas voltas antes de cair nos braços do sono.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…