Pular para o conteúdo principal

MEU VO(O) APOLINÁRIO - Teaser Pré-estreia


Gravado na pré-estreia do espetáculo “Meu Vo(o) Apolinário” no teatro da Teresa D´Ávila da cidade de Lorena (SP), para o público do ECOHVALE 2015.

O ESPETÁCULO 
Com texto original do escritor Daniel Munduruku (Menção Honrosa Pela Não-Violência e Tolerância – outorgado pela UNESCO) e direção de José Sebastião Maria de Souza, “Meu Vo(o) Apolinário” é acima de tudo uma história de sabedoria, ensinamento e auto-conhecimento. Estrelado por Wesley Leal e J. Lopes Índio, o enredo é universal e para todas as idades. Ultrapassa barreiras como as aves.

No palco, Leal representa o índio-narrador da história – primeiro filho do de uma grande família Munduruku que nasce na cidade (Belém do Pará). Ele apresenta ao espectador sua vida na escola – onde sofre com as piadas em relação à sua origem indígena – e na aldeia Munduruku – refúgio das férias escolares.

Após sofrer uma “desilusão amorosa”, ao ser rejeitado por uma menina do colégio, o garoto vai para a aldeia triste com o acontecimento, exacerbando sua baixa auto-estima por ter que lidar diariamente com as provocações de seus colegas.

Eis que surge na trama o vô Apolinário (J. Lopes Índio), que traz para ele o saber de um ancião respeitado por todos à sua volta. Apolinário ensina o garoto a ter orgulho de suas raízes, de sua ancestralidade e a respeitar a natureza.

“”Meu Voo Apolinário” é uma viagem iniciativa que o índio-menino realiza na busca de uma identidade desencontrada no mundo urbano que dissolve agressivamente formas de pertencimento e de felicidade ligadas a uma `filiação´, à ancestralidade. Origem em sentido próprio, ela contém todas as idades das personagens que, em uma consanguinidade espiritual com o cosmos, se confundem em laços da natureza que resiste ao poder destruidor do tempo”. Olgária Matos

Autor
Daniel Munduruku

Direção
José Sebastião Maria de Souza

Elenco
Wesley Leal
J. Lopes Índio

Coordenação Artística e Técnica
Pedro Paulo Zupo

Produção Executiva
JSMS e PPZ

Trilha Sonora
Canções tradicionais Munduruku
Gravadas por Daniel Munduruku

Vídeo Cenário
VJ Scan

Preparação Corporal
Isabel da Silva Telles

Figurino
José Sebastião Maria de Souza

Desenho Corporal
Mario Lúcio

Desenho de Luz
Hugo Peake

Projeto Gráfico
Maurício Tramonti

Ilustração (Óleo sobre Tela)
Therezinha de Sousa (They)

Assessoria Contábil
Marcos Fernandes

Assistente de Produção
Maria Luiza Tramonti

Contra Regra
Silvia Lopes

Assessoria de Imprensa
Arteplural (Fernanda Teixeira)

Cabelereiro
Ray Ferro

Costureira
Isabel Cristina Beralde

Quituteira
Nicotinha (Liquinha)

Homenagem a
Antonio Abujamra
http://meuvooapolinario.com/

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…