Pular para o conteúdo principal

II JORNADA LITERÁRIA DO VALE HISTÓRICO - ONDE FICAR?

Casa de Frei Galvão
Mais uma vez, as cidades históricas de Lorena e Guaratinguetá abrem as portas para receber os participantes da Jornada Literária do Vale Histórico. Desde a primeira edição, em 2013, as ruas, escolas e prédios históricos dessas cidades viram palco de encontros entre leitores, escritores e vistantes da Jornada Literária que hospedam-se em charmosos hotéis e pousadas, experimentam a deliciosa gastronomia local que mescla hábitos paulistas, mineiros, fluminenses e claro, esbaldam-se com a literatura.

Cachoeira do Gomeral
O Vale histórico (no Vale do Paraíba Paulista) está situado no extremo leste do estado de São Paulo, nas divisas de Minas e do Rio de Janeiro, cercado pelas serras da Bocaina e da Mantiqueira. Suas cidades, entre elas: Lorena e Guaratinguetá, possuem casarios e palacetes da época colonial, conferindo um charme todo especial a esta região, que chegou a ser considerada a mais rica do Brasil durante o ciclo do Café. 
Além de ser parte da rota da Estrada Real, outra importante característica da região é o turismo religioso, por ser onde se localiza o Santuário Nacional de Aparecida, Santuário de São Benedito e o Santuário Frei Galvão. 
Ao longo de sua história a região tornou-se uma importante referencia para a literatura nacional, devido a fama de alguns filhos ilustres e antigos moradores como Monteiro Lobato e, Euclides da Cunha. 

Basílica de São Benedito
A maior parte das atividades da II Jornada Literária do Vale Histórico acontecerá na cidade deLorena, um agradável município que situa-se no Vale do Paraíba, a 179 km de São Paulo. Pelas suas históricas ruas é possível contabilizar construções datadas em meados de 1700, como a Catedral Nossa Senhora da Piedade.
A cidade também apresenta outros pontos carimbados em sua biografia, como a antiga estação, o Palacete Veneziano e o Solar do Conde Moreira Lima, entre outros.
Contando com mais de 12.000m² de muito verde, área com playground, quiosques e mini-zoológico, o Parque Águas do Barão (reforma) é um dos maiores atrativos da cidade. O Horto do Ibama proporciona a prática de esportes, além de possuir também um viveiro de mudas e o Centro de Educação Ambiental Monteiro Lobato. Para completar, o simpático povo lorenense recebe a todos os seus turistas de forma muito hospitaleira.

Adicionar legenda
Devido ao interesse de algumas pessoas sobre hospedagem em Lorena durante o período do evento, preparamos uma pequena listagem com algumas opções para os participantes da II Jornada Literária do Vale Histórico que não residem na região.
Os interessados podem se hospedar por diárias que variam entre R$ 80 e R$200. Façam suas reservas antecipadamente e aproveitem o melhor da Literatura brasileira e demais atrativos do Vale Histórico.

HOSPEDAGEM:
Hotel Olympia
Rua Joaquim Luiz Bastos, 96 - Centro 
Lorena, SP 
Reservas: (12) 3153-2924
lorena@olympiahotel.com.br

Hotel Guarany 
Pc Marechal Mallet, 35 - Centro,
Lorena, SP 
Reservas: (12) 3153-1002
hotelguarany@gmail.com

Hotel Residencia
R Barão de Castro Lima, 49 - Centro 
Lorena, SP
Reservas: (12) 3152-4829

Dom Apart Hotel
Rua Dom Bosco, 237 - Centro
Lorena, SP
Reservas: (12) 3157-7393
reservas@domaparthotel.com.br

Mapa da região: 





















Rodovias de acesso:
SP-62
BR-116 Rodovia Presidente Dutra
BR-459 Que liga Lorena (São Paulo)-SP a Poços de Caldas -MG

Informações:
www.facebook.com/instituto.uka
ukacontato@gmail.com
Tel 012 3152-6464 / 12 98877-0545

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…