Pular para o conteúdo principal

XI ENCONTRO DE ESCRITORES E ARTISTAS INDÍGENAS. Tema: LITERATURA INDÍGENA: A BOLA DA VEZ

16 º Seminário FNLIJ Bartolomeu Campos de Queirós

Dia 3 de junho – Terça-feira: XI Encontro de Escritores e Artistas Indígenas

Literatura Indígena: A Bola da Vez

A cultura é a alma de um povo. Essa essência pode ser conhecida e reconhecida por diversos meios e manifestações. Para as tradições dos povos indígenas, todo movimento é circular, mas para que se movimente, assim como a bola em um jogo de futebol, precisa de agentes que embora estejam em posições diferentes, são responsáveis uns pelos outros. A literatura escrita pelos indígenas se movimenta no campo literário mostrando a diversidade cultural e a sabedoria dos povos indígenas, falando de uma ancestralidade atualizada, chamando a atenção do mundo para a preservação da diversidade biológica e da educação. A bola da vez é a necessidade de conhecimento que trará mudanças significativas para a qualidade de vida dos brasileiros. No jogo da vida todos são igualmente importantes: a bola precisa ser tocada.
09h – Ritual de abertura
10h – A magia Feminina na Literatura Indígena
Aurilene Tabajara – Escritora – O sabor do saber traduzido em palavras
Eliane Potiguara – Escritora – Mulheres que correm com suas guerreiras
Naná Martins – Escritora – Outros olhares femininos na literatura infantil
Mediação: Ninfa Parreiras – Escritora, Tradutora e Especialista em Literatura Infantil e Juvenil
14h – Literatura e leitura: Pontos e contrapontos
Marcelo Munduruku – Escritor – Literatura Indígena, Identidade dos Povos.
Olívio Jekupé – Escritor – O crescimento da literatura escrita pelos indígenas
Tiago Hakiy – Escritor – Poética da floresta para crianças
Mediação: Roni Wasiry Guara – Escritor e ilustrador
15h -– Literatura Indígena: a bola da vez
Ailton Krenak – Escritor – Uma farra da terra: literatura de invenções
Anna Claudia Ramos – Escritora – Jornadas literárias indígenas
Kaká Verá – Escritor – Literatura indígena e infância: o poder das fábulas ancestrais
Mediação: Cristino Wapichana – Escritor
16h30 - Encerramento – Lançamento coletivo de livros de autores indígenas.

http://www.salaofnlij.org.br/seminario/segundo-dia

Serviço

Local: Auditório (Centro de Convenções SulAmérica) - Av. Paulo de Frontin, nº 1 - Cidade Nova - RJ
Dias: 02, 03 e 04 de junho de 2014.
Horário: 9h às 17h.
Inscrição pelo e-mail:seminario@fnlij.org.br
Inscrições até 
23 de maio de 2014:
R$ 110,00 para os 3 dias
R$ 50,00 para inscrição avulsa
Inscrições após 
24 de maio de 2014:
R$ 130,00 para os 3 dias
R$ 60,00 para inscrição avulsa
A partir do dia 28/05/2014 as inscrições somente serão realizadas no 16º Salão FNLIJ.
A inscrição no Seminário dá direito à entrada gratuita no Salão, durante o período de realização do Seminário. A inscrição só estará efetivada, após o envio do comprovante do depósito bancário identificado.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…