Pular para o conteúdo principal

Festival é acusado de censurar filme porque contraria interesses políticos

Fonte: RDNews

Festival é acusado de censurar filme porque contraria interesses políticos
Glaucia Colognesi

Felipe Barros


O cineasta Luiz Borges garante que a acusação não procede e diz que o festival não se furta a nenhum tema e cita que houve a inscrição e exibição de inúmeras obras


Os cineastas Aluízio de Azevedo e Glória Albuez, conhecida como Glorinha no meio artístico, acusam a organização do Festival Mato-grossense de Cinema e Vídeo de ter vetado o documentário “Manoel Chiquitano Brasileiro” porque a obra contraria interesses de patrocinadores e políticos, dentre eles o cacique do PSD, deputado estadual José Riva.


Acontece que a obra aborda questões polêmicas que, segundo ele, vão contra interesse da classe política, que representa a classe produtora e pecuaristas. Já o festival mato-grossense tem como seu principal patrocinador a secretaria de Estado de Cultura, sob Janete Riva, esposa do deputado. A pasta doou R$ 400 mil para a realização evento.


A organização do evento, por sua vez, nega qualquer tipo de censura ou ataque à liberdade de expressão, garante que o festival não se furta a nenhum tema, inclusive, cita que houve a inscrição e exibição de inúmeras outras obras que abordam outras mazelas. "A acusação não procede porque há 19 anos este festival de cinema possui um regulamento que estabelece que há apenas duas formas de participar da competitiva que é a convite da organização - como sempre ocorreu com os longas metragens - ou através da seleção que é feita por meio de edital amplamente divulgado na imprensa", diz trecho da nota encaminhada pela organização do festival.


Aluízio e Glorinha são os criadores da produção audiovisual que foi, inclusive, premiada nacionalmente. A obra foi selecionada entre os 15 melhores roteiros em um universo de 890 filmes inscritos no festival nacional Etnodoc. O filme revela o drama de índios Chiquitanos, que vivem na fronteira do Brasil com a Bolívia, lutando com fazendeiros para manter o seu território.


O filme também faz remorar antigas denúncias de falhas no zoneamento socioeconômico ecológico do Estado feito pela Assembleia e pelo Governo estadual. Isso porque o documentário exibe falas de políticos como Riva, Zeca D’Ávilla e ex-governador Blairo Maggi (PR) negando que na região exista habitação de índios e/ou quilombolas. Os depoimentos das figuras políticas são contrastados com as imagens e a história do índio Manoel Chiquitano Brasileiro.


Antigas denúncias de estudiosos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) evidenciam também que o zoneamento ignorou estudo científico da universidade sobre a existência dessas comunidades indígenas no local.


Os criadores do documentário explicam que a censura ocorreu de forma velada. O organizador do festival, cineasta Luiz Borges, teria criado empecilhos de última hora para dificultar a inscrição da obra e assim não desagradar o principal patrocinador do evento. A organização, por sua vez, garante que não houve censura. Cita como exemplo os filmes “Buraco: A Herança do Diamante” do diretor Gian Piero Barozzi, que mostra os danos que a extração do diamante causou em Poxoréu. Além do longa metragem “Avaeté” do diretor Zelito Viana, que apresenta o massacre dos índios Cinta Larga na região de Forquilha onde hoje é o município de Juína.


O maior obstáculo, conforme Aluísio, foi a criação da regra que restringe de 25 para 20 minutos o tamanho das obras curta metragem aptas a concorrer. Ele reclama que este critério é válido apenas para as produções locais e não nacionais. Ele reforça ainda que a regra contraria o consenso existente em todos os festivais do país que definem o tempo de 25 minutos para um curta metragem. Também argumenta estranhar o fato de no catálogo do festival, na mostra competitiva de curtas, aparecer dois filmes com tempo superior aos 20 minutos exigidos do edital. Um deles é “O Florista” com 23 minutos e o outro é “O Ser Tão Cinzento”, com 25 minutos.


Em artigo, Glória Albuez fala que os organizadores do evento criaram táticas obscuras para vetar a obra e desafia a organização do festival a exibir o filme no último dia do festival, mesmo que em mostra não competitiva, para provar que nunca existiu censura. A organização reconhece que, no catálogo, o filme “O Florista” aparece com 23 minutos, mas garante que a obra tem apenas 18 minutos e que houve um erro dos produtores no registro do tempo/minutagem. A organização sustenta ainda que seria injusto com os outros 34 inscritos, que passaram por um processo normal de seleção, se nesta altura do campeonato o festival exibisse o documentário “Manoel Chiquitano Brasileiro”, que nem chegou a ser inscrito.
--------------------
Confira, abaixo, o documentário “Manoel Chiquitano Brasileiro” que está disponível no Youtube


Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…