Pular para o conteúdo principal

Escritor munduruku diz que literatura indígena está crescendo no Brasil

10/09/2013 - 16h34
Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - Graduado em filosofia, história e psicologia, com doutorado em educação pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutorando em literatura pela Universidade Federal de São Carlos, o escritor Daniel Munduruku disse hoje (10) à Agência Brasil que a literatura indígena se encontra em plena ascensão no país.
De acordo com Daniel, hoje, no Brasil, existe uma literatura escrita na própria língua dos povos indígenas, que fica mais restrita às comunidades, porque tem um número limitado de leitores. “Não é um livro comercial”, explicou. Por outro lado, existe outro grupo de escritores que estão produzindo comercialmente livros para serem adotados nas escolas não indígenas brasileiras.
Com base nesse dado, ele informou que há hoje, no país, em torno de 35 autores indígenas que estão publicando regularmente suas obras, alguns com muitos títulos e outros ainda iniciando sua produção. “O mercado hoje tem mais de 100 títulos escritos por autores indígenas. É um número expressivo”, disse.
Nascido em Belém, em 28 de fevereiro de 1964, e pertencente à etnia indígena munduruku, Daniel é um exemplo do espaço que a literatura étnica indígena assumiu no país. Dedicado principalmente à literatura infantil, ele tem 43 livros publicados por diversas editoras. Atualmente, Daniel vive em Lorena (SP), onde é membro da academia de letras local.
Segundo informou, até há cerca de 15 anos, não havia esse movimento literário indígena no Brasil. “Tudo foi construído nesses últimos 15 anos e houve, sim, muitas vitórias e conquistas nesse período todo, haja vista a demanda que existe hoje pela literatura indígena e por autores indígenas”.
Daniel Munduruku avaliou que a Lei 11.645/2008, que estabeleceu a obrigatoriedade de as escolas brasileiras públicas e privadas trabalharem a temática indígena em todo o currículo, desde o ensino fundamental até o médio, contribuiu para impulsionar essa produção literária.
“Isso fez com que houvesse um interesse maior por parte das editoras na parte da produção e, é claro, isso demandou, da parte do governo, a aquisição de livros sobre essa temática indígena para enviar às escolas”. O crescimento foi tão grande, disse Munduruku, que os próprios indígenas que escrevem “não conseguem dar conta, tamanha a demanda que está hoje nos solicitando”.
Daniel reconheceu que “ainda se percebe muito no país a repetição do estereótipo”, mas acredita que a aproximação entre os escritores indígenas e o restante da população contribui para desmistificar ideias errôneas sobre os povos indígenas e eliminar preconceitos. “A gente tem trabalhado nessa direção”. Explicou que, quando o movimento literário indígena teve início, os autores queriam ajudar o Brasil a se conhecer e a repensar sua própria identidade.
Edição: Davi Oliveira
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…