Pular para o conteúdo principal

Brasil, mostra tua cara! – Cristino Wapichana


Éramos mais de 1.000 povos indígenas nestes territórios que hoje se denomina Brasil.  É verdade  que tínhamos nossas briguinhas internas se justa ou não, usávamos as armas com efeitos parecidos e alguns povos comiam os guerreiros capturados para fortalecer o espírito coletivo daquele povo.  Mas o mais interessante era que o guerreiro “banquete” se dava por satisfeito em ser servido, pois assim como os “inimigos” se alimentaria dele, o seu povo também já havia comido parte daquele povo que agora fazia festa. Detalhe, não se comia medrosos, covardes e se o guerreiro fugisse e retornasse para sua aldeia, era morto ou banido pelos seus.  Era desonra.    

Mas chegou a pólvora, a ganância, a doença, as correntes, a cana de açúcar, o café, o cavalo, o boio, o chicote, a escrita, a moeda e nomearam este lugar, dando-lhe o nome de Brasil.  Ai vieram mais coisas: Monarquia com Dom João VI e seus dons Pedro I e II, e um deles ate bradou: Independência o Morte! Ambas deram luz a democracia. Neste período, já éramos metade dos povos indígenas de 1.500.  Mas o importante foi o avanço que o País deu e ai é que apareceram mais coisas: Vereadores, prefeitos, deputados estaduais e Federais, governadores e presidentes.  
Mas a democracia tomou um golpe duro dos milicos que decidiram alavancar de vez trazendo a “Ordem” e o “Progresso” e indígena não se encaixava na palavra e nem no sentido da palavra progresso.  Neste período as estradas cortavam o País e eliminando florestas, serrados com toda sua biodiversidade, povos indígenas inteiros foram massacrados, dominados e expulsos e excluídos da sociedade brasileira a tiros e bombas.  Os territórios indígenas deram lugar as fazendas de bois, plantações de milhos, soja, cana…  Mas em 1985 a Democracia devolveu ao povo o poder!    Os políticos eleitos com o voto do povo retornam loucos para representar legitimamente o povo brasileiro.  Corrupção, se torna o carro chefe e quadrilhas organizadas e legalizadas desviam verbas por todos os cantos deste Brasil!    Ai aparece um galã que se candidata a presidente para moralizar e acabar com os “Marajás” que ganham altos salários as custas do Povo!  O povo o elege e o aclama como o homem que tirará o País do caos da corrupção.  Na metade de seu mandato, é expulso da presidência pelos “Caras Pintadas”.  Agora somos menos de 300.000 indígenas espalhados e amordaçados por becos, vielas e restingas pelo deste Brasil.  Não temos muitas esperanças.  Mas ai aparecem as “Ongs” as pastorais, o Cimi, as missões evangélicas, as assembleias indígenas  associações indígenas, constituição de 1988, a imprensa internacional e achamos que vamos ter uma “Upgrade” porque agora temos também indígenas nas Universidades, Faculdades e cursos técnicos, indígenas com notebooks com internet, celulares, carros…   mas nada disso diminui os assassinatos de lideranças indígenas por todo o País, a ferro a fogo.  
Hoje segundo o ultimo senso, somos quase um milhão de indígenas presentes e todos os Estados e Distrito Federal, somando 302 povos sobreviventes, falando 180 línguas morando num País que empresta seu território para que os verdadeiros habitantes morem e vivam sua cultura, podendo ser expulsos a qualquer momento das terras onde seus ancestrais estão pela exploração ou interesse do País como se nos fossemos objetos inanimados sem qualquer vinculo com estas terras e com esta sociedade inventada a menos de 513 anos?
Como pode no sec. XXI uma “Nação” indígena inteira esta ameaçada de desaparecer por causas de uma meia dúzia de fazendeiros que se enriquece a custa da destruição da biodiversidade e massacra há anos os Indígenas Guarani-Kaiowá e as autoridades não tomam uma decisão a favor da vida.  O Brasil tem uma divida extrema para com os povos indígenas que moram nas terras emprestadas no Brasil, é um divida historia pelas violências causadas desde a invasão em 1500. 
Autoridades, o sangue indígena que derramaram não choramos mas por ele, mas choramos pelos que ainda derramam. 
Brasil, pinte sua cara e mostre que somos irmãos de sangue, vamos mostrar de onde vem o poder da democracia e vamos impedir o massacre do povo Guarani-Kaiowá e dos povos indígenas brasileiros.
Cristino Wapichana.  

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…