Pular para o conteúdo principal

Xamanismo: saiba mais sobre esta prática


O xamanismo tem ganhado espaço fora das aldeias e cada vez mais pessoas vêm buscando nessa antiga forma de espiritualidade o autoconhecimento e o bem-estar do corpo e da alma

Reportagem: Andréia Peres - Edição: MdeMulher
Conteúdo do site CLAUDIA
Mulher com braços abertos para natureza
Para o xamanismo, é importante manter o corpo saudável e equilibrado e prestar atenção no modo como falamos e agimos
Foto: Getty Images
Entre os índios, o xamã é considerado mágico, médico e vidente. Utilizando as mais diversas técnicas que levam ao transe, é ele que se comunica com as forças ocultas em busca de ajuda para os mais variados problemas. Cura doentes, protege a comunidade, acha objetos perdidos e tem visões. Em geral, exerce um papel político importante na tribo e possui conhecimentos sobre o corpo e sobre elementos da natureza, como ervas e pedras.
Originário da Sibéria, onde, segundo a antropóloga Carmen Junqueira, começou a ser praticado há pelo menos 10 000 anos, o xamanismo não é uma religião. Trata-se de uma filosofia que sofre variações de cultura para cultura, mas que tem como princípio a conexão com outra dimensão do universo. Apesar de as tribos indígenas brasileiras sempre terem praticado o xamanismo, a maioria dos xamãs que atendem no eixo Rio - São Paulo aprendeu os ensinamentos sagrados com os índios americanos e não com os nossos pajés.
Em busca da cura para os males do corpo e da alma
Muito antes do surgimento da medicina moderna, as pessoas procuravam essa forma de espiritualidade para a cura. Antigas culturas acreditavam que os espíritos controlavam tudo, inclusive a saúde e, nesse sistema, o xamã, a pessoa em sintonia com esse mundo, era o grande curador. Quando os membros de uma tribo se sentiam doentes, ele realizava intervenções espirituais para trazer o paciente de volta à harmonia com o mundo sagrado e, assim, curá-lo.
Ainda hoje, a maioria das pessoas que recorrem a técnicas e ensinamentos xamânicos busca alívio para problemas físicos e emocionais. Envolvendo recursos sofisticados, como o uso de imagens mentais e a interpretação de sonhos, as práticas xamânicas se parecem de certa forma com as psicoterapias contemporâneas.
Os xamãs urbanos
O ressurgimento do xamanismo na cultura moderna ocidental começou nos anos 60 com o aparecimento de uma literatura protagonizada pela figura do xamã. Um dos seus maiores expoentes foi o antropólogo Carlos Castañeda (1925-1998), autor de A Erva do Diabo, de 1968, e de outros best-sellers sobre o tema.
Fora das tribos indígenas, as pessoas que utilizam essas técnicas e participam dos rituais são chamadas neoxamãs. Da mesma forma que os índios, usam instrumentos como o tambor ou o chocalho para provocar o transe e têm visões. A diferença básica é que elas vivem e trabalham em grandes cidades. Ao transferir esse conhecimento tribal para outro espaço, acabam, segundo a antropóloga Maria Helena Villas Boas Concone, misturando elementos de diferentes culturas.
Entre os povos indígenas, o xamã vive, de certa forma, de um jeito especial. Em geral, tem uma dieta alimentar rigorosa. Come muita pimenta e pouco açúcar e, em alguns períodos, é obrigado a fazer jejum e a praticar abstinência sexual.
Para o xamanismo, é importante manter o corpo saudável e equilibrado e prestar atenção no modo como falamos e agimos. De acordo com os xamãs, toda doença começa com uma energia negativa, que pode ser desde pensamentos até sentimentos como ódio, raiva ou inveja. Por isso, as palavras, assim como as atitudes, são fundamentais. "Em vez de dizer 'tenho uma dificuldade', é melhor falar 'tenho um desafio' ", ensina a xamã e terapeuta Gláucia Camarinha Stolf, de São Paulo.
Aos poucos, esse tipo de postura nos faz trocar o conflito pela paz interior, o medo pelo amor. Qualquer um de nós, de acordo com ela, pode ser xamã. Basta ter disciplina e disponibilidade para entrar em contato consigo mesmo e com outras dimensões do universo.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…