Pular para o conteúdo principal

Levada por missionários, menina indígena do Amazonas é encontrada perdida no Rio de Janeiro


A menina teria saído grávida do Amazonas há um ano com destino a Brasília, onde foi recebida por missionários da ong Atini. Após dar à luz e ter seu filho dado para adoção, ela foi parar no Rio de Janeiro ao ser levada por uma missionária de outra ong, a Jovens com uma Missão (Jocum), mas teria fugido da residência

    O município de Maués está localizado a 268 km de Manaus
    O município de Maués está localizado a 268 km de Manaus (Arquivo/A Crítica)
    Uma menina indígena de 16 anos da etnia sateré-mawé, natural da aldeia Andirá Marau, localizada no município de Maués (a 276 quilômetros de Manaus), está sob a custódia do Estado do Rio de Janeiro, depois de ter sido encontrada perdida naquele Estado na semana passada.
    A menina teria saído grávida do Amazonas há um ano com destino a Brasília, onde foi recebida por missionários da ong Atini. Após dar à luz e ter seu filho dado para adoção, ela foi parar no Rio de Janeiro ao ser levada por uma missionária de outra ong, a Jovens com uma Missão (Jocum), mas teria fugido da residência.
    A indígena está alojada no Abrigo Municipal Casa Comunitária, de Caxias (RJ), por determinação da Vara da Infância e da Juventude do município. A reportagem entrou em contato nesta segunda-feira (04) com a direção do abrigo e com a Vara e obteve apenas a confirmação de que a garota indígena está no local, mas responsáveis não quiseram das mais informações porque o caso corre sob segredo de justiça.
    Justiça
    A assessoria de imprensa do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro disse ao acrítica.com que o caso já foi comunicado à Fundação Nacional do Índio (Funai). O MPF está apurando os motivos que levaram a menina a ir parar no Rio de Janeiro. Já o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro está investigando as causas criminais.
    A confirmação de que a menina é da etnia sateré-mawé se deu após visita de uma lingüista e uma antropóloga do Museu do Índio do Rio de Janeiro na semana, cuja direção foi acionada pelo MPF/RJ.
    Segundo a assessoria de imprensa da Funai, o órgão já está sabendo da situação, mas ainda vai decidir que providências tomar sobre o caso. A reportagem tentou saber sobre permanência da garota no abrigo, mas a assessoria de imprensa da Funai disse que teria essas informações no decorrer desta semana.
    Sem autorização
    O presidente das Organizações dos Tuxauas de Maués, Francisco Alencar, contou ao portal que um homem identificado como “Zevaldo” seria o responsável por levar a garota para Brasília sem autorização dos pais dela. “Sim, soube desses missionários que levaram essa cunhantã grande. Parece que os pais dela não autorizaram”, disse Alencar, que garantiu repassar mais informações nesta terça-feira.
    De acordo com uma matéria publicada na imprensa do Rio de Janeiro, após vagar durante um mês pela Baixada Fluminense a garota teria sido encontrada por um caminhoneiro e encaminhada para o Conselho Tutelar de Caxias. Exame de corpo de delito descartou a suspeita de estupro.
    Missionários
    A voluntária da Atini que se identificou apenas como Simone disse ao portal que “conhece a menina indígena, sua família e o caso”, mas que não poderia dar mais informações. A Atini é uma organização é conhecida por realizar campanhas contra suposta prática de infanticídio indígena.
    A reportagem tentou falar com a Jocum Nacional e a Jocum do Rio de Janeiro, mas não há informações sobre números de telefone em seus sites. A entidade foi contatada por meio da seção Entre em Contato, mas os coordenadores da Jocum, mas não retornaram ao pedido de informações até a conclusão desta matéria.

    Postagens mais visitadas deste blog

    MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

    MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

    Daniel Munduruku, índio e escritor

    Postado no Blog da TV CULTURA
    28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

    Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

    Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

    Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



    Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

    Em breve a Loja…

    Garimpo invade bacia do Tapajós

    por


    Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…