28 de dez de 2011

Menor salário em MT é pago a uma mulher índia; apenas R$ 151,39

Keka Wernewck
do Centro Burnier Fé e Justiça




Mulheres indígenas na base da pirâmide social
Novas formas de exploração do povo da terra

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) já começou a liberar os primeiros dados do Censo 2010. Um dos indicadores é o valor do rendimento nominal de homens e mulheres, com recorte de sexo, cor e raça. A pesquisa mostra que no Brasil e em Mato Grosso homens ainda recebem salários maiores que as mulheres. Em Mato Grosso, um homem recebe, em média, R$ 983,96 e as mulheres, R$ 503,20. Ou seja, R$ 480,76 a menos. E quem ganha menos são as mulheres indígenas, em média apenas R$ 151,34. Seguidas das pardas, R$ 399, 12, e pretas, R$ 437, 67. Mulheres brancas recebem R$ 685,87, ou seja, R$ 182,67 acima da média feminina. “Uma coisa que dá para perceber olhando Mato Grosso nessa perspectiva salarial e por municípios é que dos 10 municípios onde as pessoas ganham menos cinco são da Baixada Cuiabá: Barão de Melgaço, Livramento, Acorizal, Jangada e Poconé”, destaca o sociólogo Inácio Werner, da coordenação do Centro Burnier Fé e Justiça. Esses dados se referem a pessoas acima de 10 anos e que trabalham fora de casa
Para Inácio, isso indica que “apesar de estarem muito próximos da capital, não têm uma política que garanta sustentabilidade econômica e social. São sempre muito clientelistas com relação à Cuiabá. Têm muitos habitantes na zona rural, mas mesmo assim não produzem para alimentar a região, produzem só para subsistência e isso não gera renda digna, até mesmo porque a agricultura familiar não tem tido investimentos e, ao invés de produção local, as cidades preferem ir buscar alimento em Goiás ou no Paraná”.
Os outros cinco municípios são Campinápolis, Santa Terezinha (Araguaia), Cotriguaçu (Nortão), Planalto da Serra (Médio Norte) e Porto Estrela (Grande Cáceres).
Campinápolis é a cidade onde se ganha menor salário em Mato Grosso. A cidade tem muitos habitantes indígenas e o salário médio deles é de somente R$ R$ 39,33. Em Campinápolis, é alto o índice de mortes entre a população indígena.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

OUÇA A RÁDIO PORANDUBA

Postagem em destaque

TAWÉ - NAÇÃO MUNDURUKU - UMA AVENTURA NA AMAZÔNIA

TAWÉ - NAÇÃO MUNDURUKU - UMA AVENTURA NA AMAZÔNIA WALTER ANDRADE PARREIRA EDITORA DECÁLOGO (primeira edição publicada em 2006)   Prefaciei...

Total de visualizações

INSTITUTO UKA