Pular para o conteúdo principal

Depoimento emocionante da educadora Gislene de Freitas


Olá Daniel!
 
     Me chamo Gislene, sou pedagoga, mas trabalho como dinamizadora de biblioteca devido a uma perda auditiva. Nesse trabalho tenho contato com vários livros, inclusive os seus. Foi através desse contato que senti vontade de entrar em contato com você para partilhar meus sentimentos com relação às suas histórias, sua vida. Apesar de sermos de culturas diferentes, quando lia suas histórias eu ia sentindo o cheiro da terra, ouvindo o vento batendo nas folhas das árvores, sentindo a água fria do córrego, a fome que a gente sente depois desse banho e a comida gostosa feita no fogão de lenha preparada pela minha mãe. Ah, como era bom quando a família reunia em volta do calor do fogão de lenha e contávamos intermináveis histórias de família, quantas risadas, quanto calor humano. Quando pequena, como tinha piolhos (É uma pena que as crianças de hoje não pegam piolhos como nós!)  e por isso nós primos ou irmãos catávamos uns nos outros, ou às vezes nossa mãe nos colocava no colo para catar e enquanto isso quantas conversas e quantas vezes dormia no colo ouvindo as conversas dos adultos.
     Meu pai foi uma pessoa que sempre morou na roça, sempre plantou, criava animais, dependia da natureza e por isso a amava, a valorizava. Por isso também nos ensinou sempre a cuidar da mesma ( prefiro não usar o termo "preservar" ), porque cuidar é zelar, zelar é  atitude de quem ama e isso nosso pai nos ensinou. Ele nos passou isso não só com palavras, mas com atitudes, gestos, com a própria vida. A maneira como ele lidava com os animais, de como nos falava dos tempos da chuva e do frio, de como se plantava na terra e por causa de tudo isso, o nosso respeito, amor pelas coisas da natureza aumentava em nós. 
Meu coração hoje dói, Daniel, porque quem não viveu e não vive essa experiência com a natureza, penso que terá mais dificuldade de respeitá-la. Dia 07 desse mês levamos os alunos da nossa escola ( Colégio Estadual Rui Barbosa - Inhumas- GO) ao Memorial do Cerrado da PUC de Goiás. Durante a visita eu observava como a maioria dos alunos não interagia com amor, respeito com a natureza ali presente. Parece que existe dois mundos: o da cidade e do campo e que um vive sem o outro. Quando li o relato de Heloisa Prieto em seu livro "Um estranho sonho de futuro" a respeito da viagem de seu filho Lucas eu concordei plenamente com ela quando diz  que todo jovem deveria fazer essa experiência. Penso Daniel, que quanto mais o homem se distancia da natureza, quanto mais não lhe é permitido experienciar esses momentos em que nós experiementamos, mais o homem se desumaniza.
     Outro fato que gostei muito é o de você escrever histórias para crianças. É preciso que essa mentalidade de que índio é menos inteligente, é fragil e por isso até parece que não é gente, imagem essa que é muitas vezes é passada nos livros didáticos e na mídia, tem que acabar e suas histórias, sua pessoa, seu trabalho com certeza vem desmistificar essa imagem. Voltando mais uma vez a lembrança de meu pai, lembro que quando ele assistia alguma coisa na TV sobre os índios, uma das várias coisas que ele gostava e falava era o modo como os indios tratam as crianças. Nosso pai nunca nos bateu, sempre agachava para falar conosco, sempre nos ouvia atentamente quando falávamos com ele. Sua maneira de ser nos marcou profundamente na personalidade de todos nós os filhos. 
     Despeço-me agradecendo sua atenção! Será que seria possível pensarmos num contato entre você e nossos alunos?
Abraços
Gislene de Freitas.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…