Pular para o conteúdo principal

Teto de escola indígena desaba

 Treze alunos de escola indígena faziam trabalho no momento em que a viga de sustentação do teto ruiu sobre a sala de aula, em Capuan. Eles foram atendidos no hospital de Caucaia e uma adolescente segue em observação.
Viga ruiu, trazendo abaixo do forro de PVC falhas na madeira (FOTO: RAFAEL CAVALCANTE) 
Viga ruiu, trazendo abaixo do forro de PVC falhas na madeira (FOTO: RAFAEL CAVALCANTE)
 Treze adolescentes entre 15 e 17 anos da comunidade indígena Tapeba situada no distrito de Capuan, em Caucaia, ficaram feridos com o desabamento do teto de uma das salas de aula da Escola Diferenciada Índios da Terra, ocorrido no início da tarde de ontem. Alunos do 6º ano, eles estavam na classe com outros nove colegas fazendo um trabalho solicitado pela professora quando o acidente ocorreu. 

 Era por volta das 14h40min, e os 20 alunos presentes já estavam próximos de sair para o intervalo quando os escombros vieram abaixo. Entre os atingidos uma garota grávida de dois meses, e a adolescente Jéssica Soares, de 15 anos, que sofreu forte pancada na cabeça, e machucou pernas e dedos. Todos os atingidos foram encaminhados para o Hospital Municipal Abelardo Gadelha, onde receberem os primeiros socorros.


 Seis adolescentes que foram atingidos superficialmente foram liberados poucas horas depois. Outros seis que sofreram pancadas em partes diversas do corpo precisaram ser transferidos para outra unidade de saúde a fim de se submeterem a um raio-x. O aparelho do Hospital Abelardo Gadelha estava quebrado. Já a aluna Jéssica teve que ser submetida a uma pequena cirurgia na mão machucada, e por isso passaria a noite em observação.


 De acordo com Rita de Cássia Cruz do Nascimento, diretora da escola, há tempos o prédio, que foi inaugurado há cinco anos, vem sofrendo com goteiras. Conforme disse, por ser uma edificação alta, não havia possibilidade de ninguém da comunidade subir para fazer os reparos. Porém, ofícios já haviam sido enviados a Secretaria da Educação do Estado (Seduc) solicitando providências, afirmou ela.


 O desabamento ocorreu por conta de uma viga que quebrou e trouxe toda a estrutura abaixo. O forro composto de PVC escondia possíveis falhas na madeira de sustentação das telhas. Pedro Henrique Sampaio, coordenador da 1a Crede (Coordenadoria Regional de Educação), órgão da Seduc, explicou que a escola foi entregue em 2006 e desde então vinha recebendo frequentes manutenções.


 Sampaio afirmou que já no final do ano passado foram investidos R$ 15 mil numa reforma do prédio da escola, incluindo a construção de uma cobertura para o pátio. Ele adiantou que segunda-feira uma equipe de engenheiros da Seduc irá ao local a fim de fazer um completo diagnóstico estrutural do imóvel. Será retirado o forro de todas as salas de aula para avaliar a coberta.

O quê
ENTENDA A NOTÍCIA
A Escola indígena dos Tapebas, em Capuan, conta com quatro salas de aula. Na Unidade de ensino são mantidas classes do Ensino Infantil ao Ensino Médio. A comunidade informou que vem reivindicando à Seduc a construção de outras quatro salas de aula a fim de aumentar a capacidade.

Rosa Sá



rosa@opovo.com.br



Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…