Pular para o conteúdo principal

Prefeito Fauzi recebe coordenadora da Fundação Ford

O prefeito Fauzi Suleiman (PMDB) recebeu em seu gabinete a Dra. Joan Dassin, coordenadora internacional da Fundação Ford.

A coordenadora esteve acompanhada por caciques de todas as aldeias Terena de Aquidauana e ainda de um representante de Dois Irmãos do Buriti.

A Dra. Joan veio ao município com vários objetivos, entre eles, discutir a continuidade do apoio da Fundação Ford para a formação educacional de povos indígenas.

Iniciado em 2000, através de seu representante no Brasil, a Fundação Carlos Chagas, a Fundação Ford propõe oferecer bolsa para o Programa Internacional de Formação Superior de Povos Indígenas e Negros sem condições para tal.

Em Aquidauana, são cinco indígenas da etnia Terena contemplados, entre eles o professor Paulo Baltazar e Celma Fialho. Ambos cursam o Mestrado com recursos da Fundação Ford.

Entretanto, o programa foi elaborado para ter 10 anos de permanência e em 2010 vence o prazo para o fornecimento das bolsas.

Este foi um dos itens mais destacados na reunião: todos os caciques se pronunciaram preocupados com o final do programa que, infelizmente, só em 2007 chegou ao conhecimento dos indígenas de Aquidauana. “Perdemos muito tempo para nos inteirar do programa, fato que foi muito prejudicial. Agora estamos aqui para reivindicar outros programas semelhantes. A educação superior para os povos indígenas é um dos melhores instrumentos de romper barreiras e preconceitos”, afirmaram eles para a Dra. Joan.

O cacique Alberto, de Dois Irmãos, afirmou que “10 anos parecem muito, mas, na verdade, foi durante esse período que os cursos de ensino médio foram implantados no meu município e isso atrasou um pouco nosso ingresso no programa da Ford”.

Segundo os caciques, a demanda ainda é muito grande. “Estamos aqui hoje para solicitar a continuidade do programa. Gostaríamos muito que fossemos atendidos”, afirmou o cacique da Lagoinha, Célio Francisco dos Santos.

Para a Dra. Joan, o Brasil ocupa lugar de destaque no ranking de povos assistidos, mas, acredita que faltou um pouco mais de divulgação. “Os bolsistas brasileiros apresentam desempenho maravilhoso e essa reunião hoje aqui é prova disso. Vamos ver se conseguimos um novo programa tendo em vista sua importância para a educação dos povos indígenas e com uma divulgação em nível regional melhorada. É objetivo da Fundação Ford é que aconteça uma relação entre o conhecimento, que se dá de forma direta com os bolsistas e, depois, através deles, de forma indireta dentro das comunidades”, afirmou.

O professor Paulo Baltazar leu uma carta de agradecimento à Fundação Ford, onde destaca a importância das bolsas. “Quando estudamos e temos a chance de realizar um curso de mestrado e/ou doutorado, passamos da condição de objeto de estudos para a condição de agentes provedores de pesquisas e estudos. Essa é uma das maiores conquistas que o povo Terena poderia ter”, disse ele em um trecho da carta.

O prefeito Fauzi Suleiman destacou que desde o início de seu governo vem promovendo uma série de medidas que objetivam a valorização da etnia Terena. “Temos um população com cerca de 12 mil índios em Aquidauana e não podemos deixar de nos orgulhar dessa representação Terena, responsável em muitos aspectos pela história de Aquidauana e até mesmo antes de sua fundação. Estamos aqui na prefeitura dispostos a participar e colaborar para a continuidade do programa da Fundação Ford. Precisamos desse apoio e agradecemos a presença sua, Dra. Joan, por estar aqui conhecendo in loco a realidade indígena de Aquidauana”, disse o prefeito.

Finalizando o encontro, o prefeito Fauzi Suleiman entregou à Dra. Joan Dassin, como uma lembrança de Aquidauana uma peça de artesanato elaborada em osso. Em seguida o prefeito recebeu de presente um livro contendo trabalhos da Fundação Ford.


Fonte: Agecom

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…