Pular para o conteúdo principal
DOCUMENTO FINAL
I Encontro de Mulheres Indígenas da Bahia

Nós, mulheres indígenas nos reunimos nos dias 08 e 09 de Maio de 2010, na comunidade indígena Tupinambá da Serra do Padeiro no 1º Encontro de Mulheres Indígenas da Bahia e elaboramos este documento como forma de sistematização dos trabalhos realizados durante esses dias.
Este encontro teve seu diferencial, já que tratamos de um tema de suma importância, a valorização da participação das mulheres na vida política, social e cultural dos povos indígenas. Nós mulheres mostramos a nossa importância nas atividades que já realizamos e que muitas vezes são invisibilizadas e desvalorizadas e mostramos que queremos mais. Queremos ampliar nossa participação nos espaços do movimento indígena, nas instituições dos governos, enfim em lugares que parecem ser reservados aos homens, mas que nós queremos demonstrar que não.
Além disso, percebemos a vantagem de o encontro ter sido feito em uma aldeia indígena, especialmente o caso da comunidade Serra do Padeiro. Convivemos dois dias com nossos parentes, vimos a organização comunitária, a beleza natural preservada, dançamos o toré juntos em volta da fogueira e nos aproximamos mais e dividimos as angústias que esse povo passa por conta de ações e ameaças às suas lideranças e que aflige a todos nós.
O encontro teve participação de lideranças femininas, velhas, jovens, mães, professoras, estudantes, trabalhadoras, que compartilhamos nossas experiências, dificuldades e expectativas de mudanças. Discutimos alguns temas como a mulher na educação familiar, território, protagonismo e empoderamento da mulher, saúde e medicina tradicional, sustentabilidade e segurança alimentar, nos dividimos em grupos para discutir alguns temas e chegamos a algumas propostas que encaramos como primordiais e que precisam ser consideradas pelos órgãos governamentais e instituições parceiras para que possamos dar continuidade ao trabalho da mulher indígena nas comunidades.


Propostas - O papel da mulher indígena na educação familiar.
 Garantir a continuidade dos valores culturais indígenas.
 Respeitar e valorizar a ancestralidade indígena.
 Respeitar os princípios familiares.
 Preparar os filhos para a vida familiar, comunitária, política e social de cada povo indígena.
 Apoiar-se nos ensinamentos dos mais velhos. Preparar os filhos para a visão externa da comunidade.
 Buscar parceria do conselho tutelar, e quando necessário dos CRAS.
 Fortalecimento para a participação da mulher indígena nos vários espaços de interlocução nas três esferas de governo, como:
 Ampliar a representatividade feminina no fórum de educação escolar indígena.
 Apoiar a criação do Ministério das Mulheres, com a participação das mulheres indígenas.
Garantir e fortalecer a participação da mulher indígena nos diversos conselhos: educação, saúde,habitação,  cultura, segurança alimentar, meio ambiente e conselho dos povos indígenas da Bahia.
 Garantir a acessibilidade e inclusão das escolas indígenas.
 Valorizar os saberes tradicionais das mulheres indígenas.
 Potencializar o trabalho das parteiras indígenas com formação específica.
 Criar programas de formação de lideranças femininas indígenas.
 Garantir a participação da mulher indígena no campo político.
 Apoiar os espaços de mobilização das lutas femininas nas comunidades indígenas.
 Fortalecer os valores femininos.


Propostas - Saúde

 Atenção básica: transporte, acolhimento e apoio diagnóstico.
 Processos de formação de técnicos em saúde tradicional de pessoas da própria comunidade.
 Inclusão das farmácias vivas nas comunidades indígenas.
 Realizar diagnóstico de mortalidade materno-infantil indígena na Serra do Padeiro e se estendendo para as outras comunidades indígenas.
 Segurança alimentar: combate à fome.
 Atender a reivindicação das mulheres indígenas referente à medicina tradicional.
 Criar programa específico de atenção e proteção à mulher idosa e de pessoas com deficiência nas comunidades indígenas.
 Exigir o cumprimento da responsabilidade da FUNASA e participação nos encontros para melhores esclarecimentos a respeito dos programas e da assistência às comunidades indígenas.



Proposta - Protagonismo e empoderamento

 Participar das retomadas e acompanhar os parentes.
 Participar opinando nas reuniões das comunidades.
 Formação das mulheres em conhecimentos jurídicos.
 Garantir a participação de 50% de mulheres nos espaços de representação do movimento indígena.
 Realização das reuniões das instituições do movimento indígena nas aldeias, para ampliar e incentivar a participação das mulheres.
Socialização com a comunidade dos resultados de reuniões e outros espaços que os representantes participam, para promover a participação das mulheres.


Propostas - A participação da mulher indígena no processo de sustentabilidade e segurança alimentar.

 Ampliar o processo educativo das crianças através do convívio familiar em suas atividades diárias, garantindo-as como uma atividade extra-classe para possibilitar o aprendizado dos conhecimentos tradicionais de cada povo.
 Incentivar a utilização de sistemas comunitários e roças individuais para garantir a alimentação da comunidade e vender os excedentes para comprar o que não é produzido na localidade.
 Capacitar jovens para trabalhar na agricultura, através dos princípios da agroecologia.
 Realizar cursos de fabricação de sabão, sabonete, shampoos, óleos essenciais para massagens e remédios caseiros.
 Realizar oficinas sobre confecção de artesanatos, a exemplo da utilização da piaçava.
 Realizar cursos de corte e costura, cabeleleiro e manicura.
 Realizar capacitação com cursos sobre documentação e contabilidade para calcular custos e venda dos produtos.
 Promover a alimentação alternativa: “aproveitamento de cascas e folhas, etc”.
 Validar e ampliar a participação das mulheres indígenas no processo de seleção de escolha de funcionários públicos nas comunidades indígenas.
 Incentivar a organização estadual das mulheres indígenas, através de associações representativas do segmento.
 Melhorar os mecanismos de produção e criar selos de qualidade para agregar valor à produção das comunidades indígenas, como: farinha, frango, carne, ovos e outros.

I Encontro de mulheres indígenas da Bahia.
Comunidade Indígena Serra do Padeiro, 09 de Maio de 2010.

Participaram da elaboração desse documento os seguintes povos:

Tupinambá;
Pataxó;
Pataxó Hãhãhãe;
Tuxá;
Kiriri;
Kaimbé;
Pankaru;
Pankararu;
Xucuru-Kariri;
Kariri-xocó/Fulni-ô;
Payayá.









Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…