Pular para o conteúdo principal

Conclave com cem caciques decidirá resposta contra hidrelétrica


Índios da região do Rio Xingu, no sudoeste do Pará, abandonaram pelo menos por enquanto quaisquer ideias mais radicais para lutar contra construção da Hidrelétrica de Belo Monte. Reunidos em assembleia nos dois últimos dias, em Altamira, a cerca de 900 quilômetros a sudoeste de Belém, eles decidiram fazer um conclave envolvendo todos os caciques da região, cerca de 100.
No encontro - ainda sem data marcada, por causa da logística de transporte que envolve dias e dias em jornadas de canoas, dinheiro para contratar aviões e voadeiras - eles pretendem cobrar do governo explicações mais detalhadas sobre a obra e, principalmente, sobre o alcance da barragem, que deverá ter cerca de 500 quilômetros quadrados. No domingo, o cacique Akiaboro, líder geral de todas as aldeias Caiapó, havia afirmado que os índios poderiam ir à luta, talvez até sangrenta, contra a construção da usina. "Ou o governo inicia um diálogo com os índios ou teremos de ir à guerra. Isso será muito ruim, porque haverá muitos mortos."
Hoje, depois de ouvir cerca de 20 lideranças indígenas, Akiaboro comunicou que os caciques de todas as tribos de nove etnias é que vão decidir o que fazer. Akiaboro disse que é amigo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do presidente da Funai, Márcio Meira. Mas, segundo ele, embora os índios tenham pedido a abertura de canais de negociação com o governo, nada conseguiram "Estive com o presidente Lula na inauguração da Reserva Raposa/Serra do Sol, no dia 19. Ao final, entreguei a ele um documento e pedi que ouvisse os índios", relatou o cacique.
Segundo Akiaboro, Lula disse que faria sim o diálogo. "Mas agora li na internet que o presidente afirmou estar disposto a fazer a usina, de qualquer jeito". O cacique disse que pessoalmente é contra a construção da barragem de Belo Monte. Mas não pode falar sozinho. Por isso, quer ouvir os outros índios e também o governo. O cacique lembrou que é um dos integrantes do Conselho Nacional de Política Indígena (CNPI) e que, nesta condição, vai exigir do governo a abertura de um diálogo para que sejam dadas as explicações sobre o alcance da barragem da Hidrelétrica de Belo Monte.
Os índios do Xingu estão mais comedidos do que desejavam as organizações sociais que também atuam na área, numa frente de combate à construção da usina. Entre elas, a Prelazia do Xingu, o Instituto Socioambiental (Isa) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Elas queriam a princípio que os índios ocupassem a Ilha do Pimental, a cerca de 40 quilômetros de Altamira, no local onde será construído o paredão da barragem.
Para o cacique, a Funai deu a anuência para a construção de Belo Monte porque é um órgão do governo e não vai brigar contra si mesma. Nesse caso, segundo ele, a Funai não pode falar pelos índios. "Tem muita gente que mora nas cidades, estudou, não vai mais à aldeia. O governo tem de ouvir os que moram nas aldeias " Os contrários à construção de Belo Monte afirmam que o desvio da água do rio para dois canais que irrigarão o reservatório vai secar um trecho chamado de Volta Grande, onde ficam diversas comunidades indígenas. Com isso, suas atividades de sobrevivência e busca de alimentos poderiam ficar inviabilizadas
A Hidrelétrica de Belo Monte está prometida há 30 anos. Quando ficar pronta, deverá gerar até 11.233 megawatts de energia - a terceira maior do mundo. Deverá custar R$ 19 bilhões. Seu leilão ocorreu no último dia 20. Antes, o governo teve de derrubar todas as liminares contra o leilão concedidas pela Justiça Federal de Altamira. (João Domingos - AE)

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…