Na cidade mais indígena do Brasil, esta é a face da lei‏ !!!!!

Prezados colegas,
No município de São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, apesar de ser considerado o "mais indígena do Brasil", com 90% da população declarando-se indígena e com representantes indígenas eleitos para cargos no legislativo e executivo, a questão da cidadania para o indígena ainda é algo a ser conquistado. Fui testemunha de vários disparates contra estas pessoas ocorridos em São Gabriel que não tenho espaço para relatar aqui, mas peço que repassem a notícia no mínimo por solidariedade ao Delzimar que tão corajosamente tenta romper o cerco de silêncio que impera numa cidade onde, apesar da aparente "harmonia étnica", brancos ricos cotidianamente exploram, estupram e matam indígenas sem que seja dado a estes o direito de defesa.

Fabiane

São Gabriel da Cachoeira – Amazonas, 09 de dezembro de 2009.

Queridos Parentes, Saudações!!!
Estou passando por momentos cruéis na minha vida juntamente com a minha família, uma tragédia, uma injustiça  nunca esperada por mim. No dia 05 de dezembro por volta das duas da madrugada, o meu irmão Dione Sarmento Fernandes Torãmu, 22 anos, da etnia dessana, voltava da festa dançante, estava tentando atravessar a rua quando foi atropelado e arrastado  brutalmente onze passos por um carro em alta velocidade. Ficou irreconhecível, o corpo praticamente amassado , principalmente o rosto deformado, morreu de POLITRAUMA. O assassino não prestou socorro, o corpo do meu irmão ficou quase uma hora esperando por ambulância e policiais. O assassino foi preso em flagrante após algumas horas, porém, pagou a fiança de  mais ou menos R$ 931,00( novecentos e trinta e um reais) e foi solto no mesmo dia. Temos a informação que  um dos vereadores  pagou a fiança, pois é o primo do mesmo. Não foi feito nenhum tipo de procedimentos legais que deveriam ser feito pela parte do delegado e da polícia ( PERICIA E INVESTIGAÇÃO)para este caso. Procuramos o Delegado  no mesmo dia do crime 05/12/2009, orientados pelo médico, para pedir  a perícia, porem, fomos informados pelos policiais que o delegado não atenderia ninguém, somente na segunda feira, pois estaria de folga sábado e domingo, mas mesmo assim,vocês podem perceber que ele atendeu o assassino só porque era parente de um vereador mesmo estando de folga. Fomos, então , segunda feira(07/12/ 2009)  para ver e ter informações sobre o processo, infelizmente não fomos bem atendidos. Estava agressivo nas palavras que nos dirigia. Disse o Delegado: “o Teu irmão estava dormindo nu, com as pernas pra rua e a cabeça na calçada. E não tinha como evitar o acidente, por isso que o motorista atropelou o corpo e arrastou, e isso é normal.”  Foi quando eu interferi: “mas, doutor eu pensei que era crime atropelar, arrastar e matar uma pessoa, não sabia que era NORMAL.” E disse ainda(delegado) : Eu não tenho culpa se seu irmão foi atropelado, arrastado e morto.


Todas as perguntas que eu direcionava a ele parecia que lhe irritava. Eis as perguntas e respostas:
·         Deusimar Uahó: Por que não foi feito a perícia pela parte da polícia? Porque o médico nos disse que o Delegado faria isso.
·         Delegado  (bem irritado): Não precisava fazer a perícia porque o médico já fez e está no óbito.
·         Deusimar Uahó: De quem é o relato que o Senhor está nos apresentando?
·         Delegado: É do  motorista... quer dizer é dos policiais e dos testemunhas que viram o acidente.
·         Deusimar Uahó: Por que não pode ser feita uma investigação?
·         Delegado: Por que, por acaso você tem outra versão diferente dessa para fazer investigação?
·         Deusimar Uahó: O assassino estava alcoolizado!
·         Delegado: Não estava!
·         Deusimar Uahó: Para quem ele pagou a fiança se o delegado não podia atender no sábado e domingo por que assim nos informaram os policiais de plantão?
·         Delegado:  Ele tem  Advogado, ele que pagou na loteria. Eu mesmo atendi e lavrei o flagrante.
·         Delegado (já bem irritado com as minhas perguntas): Pra que você quer saber disso?
·         Deusimar Uahó: Pelo menos nos dê o nome , endereço, o que ele faz, informações do assassino.
·         Delegado: Para que vocês querem saber tudo isso?
·         Meu irmão Deusival: nós somos família da vitima e nós temos direito de saber, o senhor tá parecendo que está a favor do assassino. Aqui estamos falando da morte do meu irmão, não de um "cachorro".
·         Delegado: Olha toma cuidado, hein, garoto!!! Você tá falando com "autoridade", olha tem muito espaço nas celas.
·         Deusimar Uahó: Não Senhor Delegado, não precisa ter espaço, aqui em São Gabriel ninguém vai preso, se formos presos a gente sai.

Então,parentes,  vocês podem perceber que o Senhor Delegado tentou nos manipular, nos forçar a aceitar a versão do assassino.
E eu tinha mais perguntas:
·        O assassino tinha carteira de motorista./Qual foi a punição segundo a lei de transito pelo crime./Como eles sabem que ele não estava alcoolizado (se o assassino voltava de uma festa de formatura)?
·         Quais são os nossos direitos como família da vitima em relação à indenização?
Por isso, diante desta infeliz situação, preciso da ajuda de vocês, de que maneira, que procedimentos devemos tomar para seguir em frente  e fazer justiça. Porque aqui em São Gabriel da Cachoeira- Amazonas , não existe lei para os que não tem dinheiro, pobres, principalmente para os INDÍGENAS.  Muitos casos de  crimes cometidos ficam parados na delegacia sem nenhum resolução. E quem manda aqui na região são os ricos, traficantes e bandidos. E os que deveriam estar a favor do povo (autoridades do poder público) são os que mais  violam as leis  e fazem valer as injustiças.
Com muita dor e inquietação, agradeço pela atenção e aguardo qualquer contribuição em favor da justiça.
Obs: Gostaria que , quem tiver endereço do advogado Indígena que se apresentou no Seminário da Juventude Indígena em Brasília, por favor, me enviem.
Com Amizade,
Deusimar Uahó



Fabiane Vinente dos Santos

Programa de PG Antropologia Social/Unicamp

Skype: fabiane.vinente
Twitter: @Matsia