Pular para o conteúdo principal

Inauguração do Centro de Formação e Documentação Wajãpi

O Centro de Formação e Documentação Wajãpi servirá para guardar nossas heranças para nossa geração presente e futuras gerações. É um lugar onde vamos trabalhar o fortalecimento e a valorização de conhecimentos importantes dos Wajãpi. É onde vai ficar guardado os seguintes documentos: fotografias, imagens, filmes, CDs, DVDs, documentos escritos, pesquisas, livros, etc. Lá, vai ter oficinas, cursos, estágios e reuniões.

Diretoria do Apina

O que é?
É um centro construído na Terra Indígena Wajãpi para apoiar algumas atividades do Plano de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial Wajãpi, especialmente a formação de pesquisadores, professores e documentaristas indígenas. Esse Plano de Salvaguarda foi aprovado pela Unesco quando proclamou a arte gráfica e a tradição oral dos Wajãpi como Patrimônio da Humanidade. O CFDW abrigará uma das unidades do Pontão de Cultura “Arte e Vida dos Povos Indígenas do Amapá e Norte do Pará”, mantido pelo Iepé – Instituto de Pesquisa e Formação em Educação Indígena e pelo Apina – Conselho das Aldeias Wajãpi, com apoio do Ministério da Cultura e do IPHAN. A construção do CFDW foi realizada pelo Iepé e pelo Apina com patrocínio da Petrobras, por meio da Lei Rouanet, e seus equipamentos foram adquiridos com apoio da Petrobras, do IPHAN, da Unesco-Brasil e da Embaixada da Austrália.

O que vai ter lá?
O Centro possui salas de pesquisa e um espaço para a realização de oficinas, cursos e reuniões, além de alojamentos para os Wajãpi residentes em outras aldeias e consultores atuando no processo de formação de professores e pesquisadores indígenas.
As salas de pesquisa vão abrigar a documentação produzida pelos pesquisadores e documentaristas wajãpi envolvidos na produção de um inventário das manifestações culturais dos Wajãpi. Também abrigarão o acervo documental produzido e doado pela antropóloga Dominique Tilkin Gallois, do Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da USP, que vem realizando pesquisas junto aos Wajãpi desde o final da década de 1970. No Centro, os Wajãpi também terão acesso aos resultados de outras pesquisas realizadas junto ao grupo e a documentos sobre outros povos indígenas do Brasil e do mundo.
O Centro está equipado com computadores, impressoras, televisão e aparelho de DVD, internet e radiofonia, que funcionam com sistema de energia solar.
A responsabilidade pelo cuidado e uso do CFDW será dos pesquisadores Wajãpi e dos membros da diretoria do Apina.

Por que é importante?
O Centro é importante porque permitirá que os Wajãpi tenham acesso a vários tipos de documentos produzidos sobre o grupo e também lhes dará melhores condições para produzirem seus próprios documentos e registros, apresentando sua própria visão sobre a realidade em que vivem. Sendo um local de produção e difusão de conhecimentos, o Centro deve contribuir para aumentar o interesse dos jovens wajãpi por sua própria cultura e seu envolvimento nos processos de transmissão de conhecimentos e práticas tradicionais.

Para que vai servir?
Além de guardar documentos escritos, imagens e registros áudio-visuais referentes às manifestações culturais e à história dos Wajãpi, o Centro possuirá equipamentos que permitirão a reprodução destes documentos e sua distribuição para as aldeias. O Centro vai ser um local de trabalho para os pesquisadores e documentaristas indígenas e também abrigará cursos, estágios e oficinas que o Iepé vem realizando, com apoio de diversas instituições, para capacitar os Wajãpi no desenvolvimento deste trabalho.

Onde fica?
Na Terra Indígena Wajãpi, no posto Aramirã, que fica no oeste do Estado do Amapá, nos municípios de Pedra Branca do Amapari e Laranjal do Jari.

Inauguração:
01 de setembro de 2009, às 12 horas
Terra Indígena Wajãpi, Amapá

Mais informações, contatar: Apina - Tel (96) 3224-2113 c/ Ângela e Iepé - Tel (96) 3223-7633 c/ Simone

Realização:

Patrocínio:


Fonte: Iepé


Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…