Pular para o conteúdo principal

AO REVÉS DO AVESSO – LEITURA E FORMAÇÃO - DICA DE LEITURA

AO REVÉS DO AVESSO – LEITURA E FORMAÇÃO
DICA DE LEITURA
Sempre que encontro com o professor Luiz Percival Leme Britto é uma festa. Nós gostamos um do outro como amigos que somos e como aliados que nos tornamos. Fazemos a festa do (re) encontro.
Gosto de escutar o Percival – como é carinhosamente chamado pelos mais próximos – pela profundidade e contundência que norteiam sua fala. Ele é um pensador profundo, apaixonado, cartesiano, enfático. Não costuma medir as palavras ao dizê-las. Ele as diz por que as pensou com a calma acadêmica necessária para que sejam afirmadas com convicção e endereço certo.
Raramente temos tempo de debater nossas ideias que são, quase sempre opostas por nos basearmos em diferentes tradições. Ou melhor, por sermos de diferentes tradições. Ele, um ocidental que sabe só sabe ser ocidental – e afirma isso com todas as letras; eu, um híbrido nascido num mundo, educado em outro e que busca encontrar sentido nos dois mundos. Minhas falas não têm a contundência acadêmica; as dele têm. As minhas buscam referências nos velhos sábios; as dele em Adorno, Paulo Freire, Marilena Chauí, Sartre, entre outros pensadores de porte; as minhas buscam desentortar pensamentos, quebrar estereótipos, aproximar mundos; as dele quebram paradigmas, suscitam atitudes e apelam para a consciência.
Uma coisa, no entanto temos em comum: ambos achamos que ler é um parto. Não que tenhamos parido um dia, mas uso o termo para afirmar a experiência da dor antes da chegada do prazer de ter um filho. Como eu nunca gostei mesmo de ler, penso que a leitura obrigatória é uma violência extrema e que toda e qualquer ação para promover a leitura tem que passar por uma compreensão de qual é o real sentimento do leitor ao se deparar com a leitura que deseja fazer.
Digo isso porque recentemente me reencontrei com o professor Percival. Ele já estava comigo há algum tempo me aguardando na estante. Remexendo nos livros que estão para ser lidos, eu vi que Percival me chamava para conversar. Eu o peguei nas mãos e ficamos trocando ideias a tarde toda. Foi uma tarde muito proveitosa e cheia de diálogos que me incitaram as ideias. Não posso dizer todas elas nesse espaço, mas gostaria de indicar a leitura deste livro para os amantes do tema porque vale muito a pena. Na verdade se trata de uma linda coleção da Editora Pulo do Gato que reúne importantes nomes (Silvia Castrillon, Marina Colasanti, Cecilia Bajour, Yolanda Reyes, Maria Teresa Andruetto, Daniel Goldin e Ana Garralón) para retratar o tema da leitura e formação de leitores. Como eu disse, os amantes desse tema têm em mãos um rico tesouro.
O livro que Percival escreveu reúne uma série de artigos que retratam variações sobre o mesmo tema: a leitura. Com a desenvoltura de quem sabe sobre o que está escrevendo, o professor vai provocando o leitor em todas as mais de 140 páginas do livro dissertando sobre os conceitos, quase sempre equivocados, que cercam este tema. O livro inteiro é uma delícia de ler. Vale a pena. Fica a dica.

Ficha Técnica
Autor: Luiz Percival Leme Britto
Editora: Pulo do Gato/SP/2015


Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…