Pular para o conteúdo principal

Palestras sobre Literatura e Educação indígena serão ministradas em Aquidauana


Dando continuidade as ações do Projeto Vucapanavó, nesta semana Aquidauana recebe as palestras da Professora Doutora Circe Bittencourt e do escritor e doutor Daniel Munduruku. As palestras acontecem no dia 15 de março as 19h na Universidade Católica Dom Bosco e é destinada á educadores, pesquisadores e interessados no tema.
Daniel Munduruku é hoje o maior nome da literatura indígena com mais de 40 obras publicadas. Em sua palestra ele falará um pouco sobre a importância da produção literária escrita por indígenas em todo o país. Já Circe Bittencourt é professora aposentada da USP e atualmente leciona na Pontifica Universidade Católica de São Paulo, onde coordena o Projeto Momentos e lugares da Educação Indígena, vinculado ao Observatório da Educação Indígena do MEC. Bittencourt é referência quando se fala em materiais didáticos e história da Educação. Ambos vem até Aquidauana para ampliar os horizontes no contexto da educação, seja a indígena ou a não indígena.
 O Projeto Vucapanavó é patrocinado pelo Petrobras Cultural,  Ministério da Cultura através da Lei Rouanet e conta com apoio da Prefeitura Municipal de Aquidauana, através da Gerência de Educação. Na primeira etapa, o projeto realizou as oficinas de Fotografia e Vídeo para professores de língua e arte Terena. Participaram 30 professores das cinco escolas indígenas municipais, que tiveram como produto final, vídeos e fotos relacionados a cultura e o cotidiano do Povo Terena. Cada grupo de professores escolheu um tema pertinente a sua área de atuação e que possam localizar estudantes e pesquisadores acerca da cultura Terena. Foram eles: Ervas medicinais, Tecnologias nas comunidades Terena, Residências Terena, Oficinas de Fotografia e Vídeo e Artesanados produzidos pelos Terena hoje. Após finalizados, esses materiais serão expostos na cidade de Aquidauana.

Informações: (65) 8418-0343

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

OS ÚLTIMOS SOCIALISTAS Ou por que perseguir os povos indígenas?

Esses dias lancei um vídeo falando sobre a importância da FUNAI para os povos indígenas. Fiz no ímpeto de aproveitar o momento e deixei passar alguns pensamentos que só depois me ocorreram. É que não ouvi os discursos da posse no mesmo dia em que foram proferidos. Dia primeiro de janeiro não é um dia bom para ouvir discursos por melhores que sejam. “Domingo eu não sofro”, canta Bethânia e um de seus discos. É a minha regra também. Dia feriado para mim é domingo. No dia seguinte fui alertado para o fato de que o governo tinha baixado uma MP em que transferia parte da Funai para o ministério da agricultura e a outra parte para o da família. Ficamos entre duas ministras que têm gana em destruir o meio ambiente. Uma é a musa do veneno e, a outra, a musa da goiabeira. Acontece que fui ler os discursos e vi o que parece óbvio para todos: um presidente eleito e empossado repetindo discursos de campanha como uma criança mimada que não sabe brincar de outra coisa. Foi, então, que atinei para …

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …