Pular para o conteúdo principal

Relator da ONU discute a obrigação do Estado de consultar povos indígenas e comunidades quilombolas


Em oficina de trabalho com o governo federal e palestra pública proferida na Universidade de Brasília, o relator especial das Nações Unidas para povos indígenas, James Anaya, apresentou vários casos de consulta em todos os continentes, apontou os desafios desses processos e revelou as recomendações mais frequentes que vem fazendo aos estados, empresas e povos indígenas.

Por iniciativa da Funai, representantes do governo federal reuniram-se durante dois dias com o Relator Especial das Nações Unidas para Povos Indígenas, James Anaya, para discutir a obrigação do Estado de consultar os povos indígenas e quilombolas sobre todas as medidas administrativas e legislativas que os afetem diretamente. Segundo a página oficial do relator na internet, participaram da oficina o Ministério de Minas e Energia (MME), o Ibama, a Secretaria Geral da Presidência da República, a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), a Fundação Cultural Palmares e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).
O encontro de trabalho demostra o interesse do governo federal em entender um tema que politicamente vem ganhando relevância e protagonismo nacional e internacional. Principalmente depois da aprovação de medidas cautelares por parte da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA contra o Brasil por, entre outros motivos, ter descumprido a obrigação de consultar os povos diretamente afetados na construção da usina de Belo Monte no Pará, mas também por conta das inúmeras obras incluídas na PAC 2 para a região amazônica, que afetam a grande maioria das terras indígenas na região.
Por se tratar de uma oficina de trabalho interna do governo federal, na qual o relator especial participou como especialista e não em missão oficial, não se tem notícias públicas sobre o conteúdo da oficina.
No fim do segundo dia de trabalho, Anaya proferiu palestra pública na Universidade de Brasília (UnB) a convite do Instituto Socioambiental, Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) e Centro de Pesquisas e Pós-Graduação sobre as Américas (Ceppac). Durante as duas horas da palestra o relator apresentou vários casos de consulta que acompanha em todos os continentes apontando os desafios dos processos e algumas das recomendações mais frequentes que ele vem fazendo aos estados, empresas e povos indígenas. (Veja aqui o último relatório sobre o tema apresentado em setembro de 2011 ao Conselho de Direitos Humanos da ONU.)
Entre os principais desafios dos processos de consulta mencionados por Anaya, destaca-se o reconhecimento das dificuldades implícitas no desequilibro de poder entre estados, povos indígenas e empresas envolvidas em processos de exploração de recursos naturais em terras indígenas. Para Anaya, a evidente desproporção de informação, recursos técnicos e competências de representação entre os atores envolvidos inviabiliza processos adequados de consulta. Por isso, ele considera imperativo incorporar às leis dos países os mecanismos de nivelamento de poder nos processos de consulta, que qualifiquem e detalhem os diferentes casos em cada país.
Várias vezes, durante a palestra, Anaya reiterou a necessidade de compreender os processos de consulta como “diálogos verdadeiros” cujas respostas não se limitam a um sim ou não. Segundo ele, os processos de consulta são processos de construção de acordos, onde estados e povos indígenas devem atuar de boa-fé e estar dispostos a ceder parte de suas pretensões para alcançar um entendimento viável e duradouro. Para Anaya, as consultas somente fazem sentido em contextos cujo objetivo genuíno é garantir a coexistência e o respeito mútuo entre povos e visões de mundo diferentes. Por isso, para ele não tem cabimento posições extremistas em um assunto tão delicado como este.
Por último, apesar da brevidade de sua visita ao Brasil e do fato de sua presença estar focada em uma mesa de trabalho com o governo federal, deve se reconhecer que sua simples presença já qualifica o debate sobre o assunto no Brasil. Ao mesmo tempo, facilita a interlocução com a sociedade civil a respeito de suas reivindicações e propostas sobre a aplicação dos padrões internacionais relativos à obrigação de consulta e o princípio de consentimento livre, prévio e informado.
ISA, Biviany Rojas.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…