Pular para o conteúdo principal

UM FURO NO FUTURO

UM FURO NO FUTURO
(Ao amigo Justino Sarmento Rezende)

Tenho verdadeira fascinação com o tempo. Gosto de pensar nele, imaginá-lo, entendê-lo nas suas mais complexas variações.
Às vezes me pego observando as pessoas apenas para vê-las “usando” seu tempo. Sento-me na praça de minha pequena cidade para olhar as crianças, os jovens, os velhos que jogam carta. Fico ali apreciando, ou melhor, exercitando minha imaginação tentando encontrar uma pequena centelha de explicação para compreender o tempo que passa naquele exato momento em que estou ali. Apenas o vento que bate nas árvores – quando bate – me dá a sensação de concretude. De resto, tudo é pura imaginação.
É provável que alguém esteja se perguntando o motivo pelo qual faço o que faço. Não saberia respondê-lo de maneira objetiva. Acho que ninguém jamais irá sabê-lo.
Particularmente aprendi a olhar o tempo como algo real apenas no exato momento em que estou escrevendo este texto. Sei também que esta minha ação é fruto de uma história passada, inventividade humana que dominou mecanismos, instrumentos, fórmulas para oferecer-me neste meu momento a máquina que está à minha frente recebendo meus pensamentos. Sim. A verdade é que meu pensamento pode ficar registrado no texto que escrevo e compartilho com quem o lê. Tenho, portanto, diante de mim a memória que traz consigo o passado e o agora que me permite, inclusive, debruçar-me sobre o tempo que já fez parte da saga de meus ancestrais.
A questão que me coloco no momento, no entanto, é como juntar o passado ao presente e fazer com que essa mistura de tempo me permita, por um breve instante, antever um tempo que não tenho, mais conhecido como futuro? É que me parece que é na fricção entre os tempos que se abre uma pequena brecha que nos permite perceber a emersão do tempo vindouro. Talvez seja a isso que os religiosos chamam profecia; os economistas, especulação; os artistas, inspiração; os esotéricos, transformação; os jovens, oportunidade.
Eu, que não sou nenhum desses citados, acho que o mundo está na curva do espiral. Tem algo novo no horizonte que está se descortinando justamente porque o passado e o presente estão novamente no seu momento de fricção nos permitindo sentir algo novo. É como se um furo no futuro estivesse se abrindo nos oferecendo a oportunidade de olhar para o que está por vir. E o que está por vir?
Se fosse um profeta diria que é tempo de conversão; se economista, de economizar; se artista, de profetizar; se esotérico, de silenciar; se jovem, de criar. Como sou apenas um filho de selvagens, como reza a lenda, permaneço na mais completa ignorância permitindo que o tempo faça em mim marcas capazes de orgulhar meus ancestrais.

Sei que alguém poderá dizer que estou louco. Não estou louco, nem bêbado, nem drogado. Tampouco estou lúcido (com luz). Conheço, no entanto, um louco que me inspirou este texto. Ele era maluco porque conseguia antever as coisas dentro de seu universo transloucado. É dele a mais completa definição do tempo que eu conheço. É uma definição que escapa à religião e à ciência; ao esoterismo e à economia. É pura intuição. Coisa de maluco beleza: “O hoje é apenas um furo no futuro, por onde o passado começa a jorrar” (Raul Seixas).

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…