Pular para o conteúdo principal

VENDENDO “CHOPP”, ACUMULANDO SONHOS

[ Mais uma crônica da Série "Memórias a Granel"]
Minha família era pobre, já disse. Meu pai trabalhava como carpinteiro em muitas obras para poder sustentar tantas bocas num lugar que não era nosso. Todos os irmãos antes de mim, com exceção de um, eram meninas. Nessa época, meninas não trabalhavam. Meu irmão mais velho e eu tínhamos que ajudar em casa com o que fosse possível.
Meu pai era um profissional bastante requisitado, mas não tão valorizado financeiramente. Muitas vezes teve que viajar para lugares mais distante de nossa cidade para poder ganhar um pouco mais de dinheiro para nos sustentar. Suas longas ausências de casa deixava minha mãe solitária e com muito mais trabalho a realizar. Minhas irmãs, eram quatro, ajudavam no que podiam, sobretudo no trabalho caseiro como cuidar da casa, cuidar dos irmãos mais novos, lavar roupa, etc. E ainda tinham que ir para a escola, coisa que meus pais prezavam muito.
Mamãe teve que “se virar nos trinta”, como se diz. Trabalhadora, nunca deixou “a peteca cair”, também como se diz. Lavou roupa para outras pessoas, fazia docinhos para vender na porta de casa, tornou-se mestra na arte de fazer e vender tacacá no final do dia em frente de casa. Tacacá é uma bebida quente preparada com vários ingredientes e é muito apreciada pelos paraenses. Ela preparava também algumas coisas mais simples que pudessem nos entregar para garantirmos alguns trocados no final do dia.
Uma das coisas que ela preparava eram sacolas confeccionados a partir de sacos de cimento jogados fora nas obras de construção civil para que pudéssemos vender nas feiras livres. Eles eram preparados de maneira artesanal e que davam um trabalho danado fazer. Eram resistentes, ecológicos e práticos. Nas feiras livres haviam muitos vendedores desse material. Eu era um deles. Levava uma grande quantidade desses sacos para vender para as pessoas que não tinham sacolas em mãos. Eu os oferecia a elas que pagavam um valor por eles. No final do dia, normalmente aos sábados, eu tinha algum dinheiro para levar para casa. No final da feira conseguia um pouco de produtos que eram desprezados pelos feirantes: bananas, verduras, legumes, hortaliças. Eram produtos que garantiriam uma boa sopa no final do domingo.
Aos domingos eu saia vendendo chopp. Esse é suco congelado revestido por saquinho e que sempre faz um grande sucesso sobretudo aos finais de semana quando a rapaziada se reunia para jogar futebol. Minha mãe fazia um chopp maravilhoso e que era um sucesso entre os jogadores. Vendia uns cinquenta a cada domingo. Entre um jogo e outro, muitos atletas vinham tomar o chopp de dona Maria. Eu ficava feliz, mas acontecia que as vezes também era enganado e não poucas vezes cheguei em casa com menos dinheiro no bolso. Minha mãe me xingava, mas entendia que eu era apenas um menino.

Além dos suquinhos envelopados em sacos plásticos, durante a semana eu ia para as portas das escolas vizinhas a minha casa com um tabuleiro onde eu vendia amendoim torrado, paçoquinha, menta e outras coisinhas que agradavam alunos no intervalo da escola. E olha que eu não tinha mais que nove anos quando isso estava acontecendo. Como e disse antes, fazia isso para ajudar em casa porque nossa família era pobre aos olhos do sistema econômico que vivia nos lembrando que para viver na cidade a gente precisava de dinheiro. Como éramos muitos, precisávamos de mais dinheiro para comprar alimento. Na cidade não há natureza, apenas egoísmos e disputas. Eu via meus pais no maior sacrifício para nos dar o mínimo de estrutura para vivermos. Eu me sentia na obrigação de ajudar por ser o segundo filho homem da casa. Era assim que eu tinha aprendido. Era isso que meu pai me ensinava sobre responsabilidade  e sobre família. Por isso, enquanto vendia os chopps, salgados, docinhos e tudo mais, eu ia aprendendo um jeito de  compreender o mundo que a gente vivia. Não era nada fácil, mas isso me garantiu poder estudar, trabalhar e acreditar em dias melhores. Entre dores, dificuldades, saudades da mata, vazios de significados, alegrias, conquistas, vitorias, houve momentos de puro aprendizado aos quais agradeço e sinto que isso forjou a pessoa que sou hoje e que posso ter a certeza de que valeu a pena ter passado por tudo aquilo, pois isso me ajudou e me ensinou a olhar o mundo da cidade de uma maneira diferente e me permitiu compreender muitas coisas, inclusive a incompreensão que as pessoas têm dos povos tradicionais do nosso país. Tem coisas que a gente só aprende com a dor, com o sofrimento. Eu posso dizer, hoje, que sou filho do sofrimento. Isso não me deixou vazio. Ao contrário, me encheu de sonhos.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…