Pular para o conteúdo principal

HISTÓRIAS DE GUERRA...E PAZ

Mais uma crônica da série "Memórias a Granel".
----------------------------------------------------------------------------


Quando criança eu era fogo na roupa, como dizia minha mãe. Era uma expressão para definir quem era considerado uma pimentinha, gente que aprontava com todo mundo. Confesso: eu era assim mesmo. E o pior é que eu influenciava meus primos a serem também. Por isso a gente vivia sempre juntos – fora as horas em que eu gostava de ficar sozinho, sozinho, sozinho. A aldeia nos proporcionava bastante oportunidade para a gente aprontar.
Quando eu ia para a escola na cidade eu bem que tentava me comportar, mas quase nunca conseguia. Apesar dos desconfortos que passava por lá, eu me enturmava bem com uma garotada que também era um tanto desaforada. Acho que era uma forma de me defender. A gente aprontava umas com os garotos das outras ruas. Eram guerrinhas de pedras, brincadeira pesada em que quase sempre alguém saia machucado. Nos terrenos baldios do bairro onde eu morava, a gente se reunia e dividia os territórios entre os grupos. Cada um se armava com pedras feitas de barro, mais macias, mas igualmente letais se acertassem em cheio nos adversários. Na sequência alguém dava um sinal e a guerra começava. Eram pedras voando de um lado para o outro. Gritarias de ambos os lados, alguns choros ou gritos de guerra soavam para cá e para lá. A “brincadeira” acabava quando todos estivessem sem munição. Aí os grupos se reuniam para conferir os “mortos e feridos” em combate. Muitas vezes levei pedradas na cabeça ou lancei outras nas cabeças de meus “inimigos”. Era um jeito estranho de brincar.
Na aldeia eu contava esses jogos para meus primos e irmãos e eles quase nunca acreditavam que isso pudesse acontecer entre “gente civilizada”. Eu ria da inocência deles, mas ficava explicando que a lógica daquele jogo era a mesma em todos os lugares. Tudo não passava de uma maneira de marcar território. Assim todos ficavam sabendo quem mandava em quê. Do alto dos meus 12 anos eu ensinava para eles que sempre foi assim na história dos homens, sejam brancos ou não. Tudo não passava de conquista de espaço. A guerra é uma forma de dominar, eu dizia orgulhoso. Nosso povo é educado para ser guerreiro e dominar outros povos, outras gentes. Todos nós, eu dizia, somos ensinados a vencer ainda que para nós isso não importe muito.
No final do dia, depois de tantas tentativas de explicação, meus parentes continuavam sem entender o que eu estava falando, mas aquilo era uma espécie de ensaio para mim. E também uma forma de decorar os conteúdos que aprendia na escola. É que eu tentava fazer do que aprendia algo prático para minha vida e só assim é que eu conseguia fazer isso.
Uma tarde encontrei minha avó na beira do igarapé. Ela lavava sua roupa batendo-a contra uma tábua que se estendia na beirada. Aí eu quis entender o porquê daquele ritual. Ela simplesmente balançou a cabeça e disse sem pestanejar que eu estava querendo explicação demais para as coisas que não eram para ser explicadas. Fiquei encucado com aquelas palavras e disse isso a ela. Minha avó parou o que estava fazendo e mandou que eu sentasse. – Tem coisas que não são para ser entendidas, meu neto. A guerra, por exemplo, é algo incompreensível para nós mulheres, mas algo normal para os homens. Os rapazes precisam brigar entre si para provarem que são machos, fortes, robustos, valentes, corajosos, honrados. A guerra não serve para dominar os outros, mas para provar a si mesmos quem é o melhor. Numa guerra, todo mundo sai perdendo.

Eu tive que fingir que entendi o que ela me disse. Não entendi nada. Mas fiquei com aquelas palavras em minha cabeça porque sabia que um dia elas serviriam para alguma coisa. Bem depois, quando já crescido e vivendo na cidade grande, comecei a compreender as palavras de minha avó ao ver os adultos correndo e brigando uns com os outros por uma vaga no mercado de trabalho. Tudo era pura competição, briga, guerra, disputa. Todos querendo mostrar uns para os outros quem era melhor para ocupar a tal vaga de emprego. Apesar de “civilizados” os homens brancos tinham a mesma sede de domínio que aqueles que consideram selvagens, seus antepassados históricos. E quando conseguiam conquistar algum novo território, comemoravam se empanturrando de carne assada e bebidas fermentadas. Essas eram as novas modalidades de guerras que aos poucos eu fui percebendo ao longo de minha passagem pelo mundo do homem civilizado. Além disso, vi os derrotados, os humilhados, os excluídos sendo explorados, os “perdedores” vivendo na rua da miséria. E eu não havia nascido para ser derrotado, pensava. Mas numa guerra, todo mundo sai perdendo, dizia minha vó com toda razão. Depois disso não quis mais fazer guerra. Agora faço a paz. Só a paz.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…