Senado Federal debate Jogos Mundiais Indígenas

O Senado Federal, através de sua Comissão de Educação, Cultura e Esporte, debateu, na manhã desta quarta-feira, 12, em audiência pública, em Brasília, os aspectos que envolvem a realização dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas (JMPI), que acontece em Palmas, de 23 de outubro a 1º de novembro.

Na abertura da audiência, o presidente da Comissão, senador Romário (PSB-RJ), falou sobre a importância do evento e confirmou presença na abertura. “O importante não é competir, e sim celebrar. Eu, particularmente, acredito que este mote que permeia os Jogos Mundiais Indígenas deveria permear todo tipo de evento esportivo. Pois não podemos mais pensar o esporte sem ter em vista o intercâmbio de culturas e estímulo à cooperação. Com certeza, estarei em Palmas para o início desta grande competição”, disse.

Na sequência, Romário passou a condução dos trabalhos para a senadora Lídice da Mata (PSB-BA), uma das autoras do requerimento que defendeu uma edição nacional dos Jogos na Bahia. A senadora Ângela Portela (PT-RR) lembrou a participação dos indígenas de Roraima no evento. Já o senador Donizeti Nogueira (PT-TO) ressaltou o potencial turístico que o evento traz para a cidade sede. “Estamos trabalhando para transformar Palmas na Capital do turismo de aventura.”

O primeiro palestrante da audiência, Marcos Terena, articulador do Comitê Intertribal (ITC), mencionou algumas especificidades do evento. “Durante os Jogos serão realizadas uma Feira de Alimentação Orgânica Indígena e um desfile de moda indígena. A cozinha que abastecerá os atletas durante o evento contará com a participação de índios que estudam Nutrição em todo o país.”

Itens do plano para sediar o evento foram destrinchados pelo secretário dos Jogos Mundiais Indígenas, Hector Franco, na ocasião representando o prefeito de Palmas, Carlos Amastha. “Elaboramos junto às entidades parceiras, um projeto amplo que contempla segurança, saúde, hospitalidade, mobilidade e turismo. O plano de segurança é integrado ao Ministério da Justiça e cuida da segurança dos atletas, das delegações e da cidade como um todo. O segundo plano é ligado à área de saúde, e conta com todas as instâncias - federal, estadual e municipal - e prevê desde a saúde dos atletas até a saúde do público e da cidade".

Franco deu detalhes sobre os planos de mobilidade e turismo. "Durante os Jogos, utilizaremos o transporte alternativo, através de ônibus de tração elétrica, que farão as rotas do Centro à Vila dos Jogos. No que diz respeito à hospitalidade, atuamos junto ao Ministério do Turismo para adequar o setor de hotelaria da cidade e incentivamos a hospedagem alternativa. Além disso, temos preparado a cidade para receber o espírito dos Jogos.”

O atleta Edson da Silva Xerente, da etnia Xerente, falou do significado dos Jogos para os povos indígenas. “Os Jogos Mundiais estão sendo muito importante para nós. Estamos nos preparando para representar o nosso país da melhor forma possível. Na Copa do Mundo as pessoas conheceram o futebol do Brasil. Agora vamos ter oportunidade de mostrar para o mundo nossos esportes tradicionais e também conhecer outros.”

No dia 19 de agosto, os Jogos serão pauta de mais uma audiência pública, desta vez, na Câmara dos Deputados, também em Brasília.

Fonte: http://esporte.surgiu.com.br/noticia/208675/senado-federal-debate-jogos-mundiais-indigenas.html

Postagens mais visitadas