Pular para o conteúdo principal

FICHA DE INSCRIÇÃO PARA O ECOHVALE - 1º ENCONTRO DE CONTADORES DE HISTÓRIAS DO VALE DO PARAÍBA

ORIENTAÇÕES PARA EFETIVAR AS INSCRIÇÕES NO ECOHVALE

1] É obrigatório o preenchimento de todos os dados solicitados na ficha;

2] Só será considerado inscrito no ECOHVALE  quando for confirmado o pagamento dentro do prazo estabelecido (comprovante digitalizado de depósito, informação sobre número da operação ou fotografia do comprovante anexado ao email);
3] O pagamento dá direito a participar de todas as atividades abertas e a uma oficina. Caso deseje participar de uma segunda oficina, o inscrito deverá pagar uma taxa extra de R$ 10,00 (inscrições antecipadas);

4] O inscrito só poderá optar por participar de duas atividades dirigidas (maratona de contação de histórias, redemoinho de histórias, contação de histórias na Bibliuka, contação na biblioteca municipal) sendo uma de livre escolha e outra por indicação da organização;

5] As vagas são limitadas e estarão garantidas mediante comprovação de inscrição. Lembramos que as atividades abertas (palestras, shows, mesas redondas) acontecerão em um teatro fechado com capacidade para até 350 pessoas;

6] A inscrição dará direito a retirar um kit ECOHVALE no ato do credenciamento;

7] Outras questões sobre inscrições serão resolvidas caso a caso com a coordenação.

FICHA DE INSCRIÇÃO, clique aqui.  



1º Dia –13/05 - Quarta-feira (FATEA)

8h00 às 09h00 – Credenciamento
09h30min – Acolhimento Poético (Grupo de Contadores da FATEA - Lorena/SP)
Grupos de cultura local
09h45 às 10h15 – Mesa de Acolhida:
Daniel Munduruku - Presidente do Instituto UKA
Autoridades e apoiadores do evento

10h30 às 12h15 - Conversa com Regina Machado

14h00 – Grupo de cultura de Lorena
14h30 às 17h00 – Roda de conversa afro-brasileira
Facilitador:  Sansakroma Sem Fronteira – Cantos e Contos com  Arte Africana
18h às 18h50 – Redemoinho de histórias
Local: Praça da Matriz
19h00 – Audiência pública sobre a construção do plano Municipal do Livro, Leitura e Literatura
Local: Câmara Municipal de Lorena
Organização: Instituto Uka, Polo de Leitura ValeLendo

2º Dia – 14/05 - Quinta-feira (FATEA)

08h30min – Acolhimento poético (Grupo de Contadores Cirandeiros da Palavra/PA)
9h00 - Mesa redonda – Histórias de contadores de histórias
Grupo Malba Tahan de Contadores de histórias da FATEA (SP)
Sônia Santos (PA)
Mediação: Olga Arantes (Fatea)

10h às 10h30 –Debate

10h30 as 10h45 – Intervalo

11h às 12h15min- Mesa redonda – Mitopoética
Saci – Prof.ª Ms. Margareth Marinho (MG)
Boto – Juraci Siqueira (PA)
Makunaima - Cristino Wapichana (RR)
Mediação: Giselle Ribeiro (PA)
30 minutos de Debate
12h45 – Intervalo para almoço

TARDE - 14h às 18h - Oficinas
Oficina 01 – Reencantar o mundo contando histórias - Margareth Marinho (MG)
Oficina 02 – A oralidade: No principio era o verbo - Os fios da memória presentes na voz do Contador de histórias – Andréa Cozzi (PA)
Oficina 03 – Histórias que ecoam no vale do Paraíba – Olga Arantes e grupo Malba Tahan de Contadores de Histórias
Oficina 04 –Ler e contar, contar e ler  - Francisco Gregório (RJ)
Oficina 05 – Contando histórias de índio? - Cristino Wapichana (RR) e Tiago Hakiy (AM)
18h30min às 19h30min – Roda de histórias ou cortejo com música e poesia.

20h30min – Palestra-poética com Socorro Lira

3º Dia – 15/05 – sexta-feira
8h00 – Acolhimento poético
Tiago Hakiy (AM) e Antonio Juraci (PA)
8h30 as 9h30 – Roda de conversa sobre cultura popular
Valdeck de Garanhuns (PE) – Mitos e Lendas Brasileiras
Francisco Gregório (RJ) - Oralidade, afeto, cidadania e Práticas Leitoras: vivências de um contador de histórias.

9h30 as 9h45 – Debate
9h45 às 10h – Intervalo

10h00 às 12h00 – Roda de conversa Indígena
A história de Uma Vez
Daniel Munduruku (SP)
Cristino Wapichana (RJ)
Mediação: Edson Krenak (MG)
12h as 12h15 - Debate


TARDE - 14h às 18h - Oficinas
Oficina 01– Reencantar o mundo contando histórias - Margareth Marinho (MG)
Oficina 02 – A oralidade: No principio era o verbo- Os fios da memória presentes na voz do Contador de histórias – Andréa Cozzi (PA)
Oficina 03 - Histórias que ecoam no vale do Paraíba – Olga Arantes e grupo Malba Tahan de contadores de Histórias/Lorena
Oficina 04 – Ler e contar, contar e ler - Francisco Gregório (RJ)

Oficina 05 – Contando histórias de índio? - Cristino Wapichana e Tiago Hakiy

NOITE
18h30 às 19h30 – Caçada ao Saci
Local – Parque Municipal Águas do Barão.
20h00 – Palestra espetáculo com Bia Bedran

4º dia – 16/05 – Sábado

09h00 às 12h00 – Maratona de contação de histórias
Local: praça Arnolfo Azevedo (evento aberto ao público)
A ideia é que este momento seja vivenciado especialmente pelas crianças e os contadores de histórias presentes se revezem e realizem performances de contação de histórias.

ECOHVALE - 1º ENCONTRO DE CONTADORES DE HISTÓRIAS DO VALE DO PARAÍBA
De 13 a 16 de Maio - 2015
Lorena/SP
www.institutouka.blogspot.com
ukacontato@gmail.com



Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…