Pular para o conteúdo principal

Décima sexta edição do Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens fará homenagem à Argentina e terá seminário sobre fantasia

INSCRIÇÕES PARA O SEMINÁRIO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ESTÃO ABERTAS
O Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens chega a 16ª edição entre os dias 28 de maio e 8 de junho, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro. Com uma homenagem dedicada à Argentina, a feira receberá escritores, ilustradores e especialistas, que traçarão um panorama da literatura infantil e juvenil do país. Patrocinado pela Petrobras desde 2001, e com apoio da Prefeitura do Rio, por meio das Secretarias Municipais de Educação e de cultura, do Instituto C&A e da UNIMED, promoverá o 16º Seminário FNLJ Bartolomeu Campos de Queirós, encontros com escritores, lançamentos de títulos, performances de ilustradores e palestras com autores e especialistas. O Salão FNLIJ contará também com quatro bibliotecas específicas para cada público, além do Espaço de Leitura e do Espaço do Ilustrador.
O 16º Seminário FNLIJ Bartolomeu Campos de Queirós, que acontece entre os dias 2 e 4 de junho, terá A Fantasia como tema. Apoiado pelo Instituto C&A, o encontro tem por objetivo refletir com profissionais e interessados das áreas de educação e cultura a necessidade e a importância  da leitura de livros de qualidade. O primeiro dia será dedicado à Literatura na Argentina. Já no dia 3, ocorre o XI Encontro de Autores Indígenas, com o tema “Literatura indígena, a bola da vez” e o terceiro dia, 4 de junho, propõe uma reflexão sobre a literatura por meio de temas tratados no 14º Congresso do IBBY, realizado pela FNLIJ no Rio de Janeiro há 40 anos, em 1974.  As inscrições podem ser feitas através do email semi...@fnlij.org.br
“Nesse ano em que a FNLIJ comemora o 40º aniversário da realização do 14º Congresso do IBBY realizado no Brasil, cujo o tema foi ‘O Livro Como Instrumento na Formação e no Desenvolvimento da Criança e do Jovem’, convidamos a todos que se interessam pela formação de leitores por meio da literatura, professores ou pais para participar dessa discussão. Essas e outras ações trouxeram indiscutível repercussão para a o desenvolvimento de nossa literatura infantil e juvenil”, ressalta a secretária-geral da FNLIJ, Elizabeth Serra.
Além da programação dos três dias do Seminário, a FNLIJ inaugura no espaço do Salão um momento de comunicações acadêmicas para pesquisadores interessados em expor trabalhos sobre A Fantasia na Literatura. A iniciativa visa destacar a produção acadêmica sobre a literatura para infância e juventude. Entre os dias 4 e 6 de junho, pesquisadores farão apresentações de até 15 minutos de suas pesquisas em andamento ou já concluídas sobre o livro infantil, sua criação, produção e promoção; a aproximação criança-livro; a formação e preparação do adulto para fazer a aproximação entre a criança e o livro; o trabalho internacional com o livro infantil. Os interessados em participar devem enviar resumo de até 2.500 caracteres, até 10 de abril. O anúncio dos trabalhos selecionados será feito entre 20 e 25 de abril. A FNLIJ irá compor a comissão científica que irá julgar os trabalhos selecionados. Os critérios para seleção pautam desde a clareza das ideias no texto até a correspondência com a proposta. Outras informações pelo email: semi...@fnlij.org.br.
Acompanhe em breve a programação do 16º Salão FNLIJ do Livro pelo site:
www.salaofnlij.org.br
Sobre a FNLIJ
Seção brasileira do International Board on Books for Young People (IBBY), a FNLIJ é pioneira no país em promover os livros de qualidade para crianças e jovens, defendendo o direito dessa leitura para todos, por meio de bibliotecas escolares, públicas e comunitárias. Entre seus valores, está a valorização da leitura e do livro de qualidade; a divulgação da produção brasileira de livros de qualidade para crianças e jovens e, em particular, os livros de literatura e informativos; a contribuição para a formação leitora dos educadores, sejam professores, bibliotecários ou pais; e a valorização da biblioteca da escola e a pública. Entre suas ações de destaque está a participação da Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha e o Salão Nacional do Livro para Crianças e Jovens realizado anualmente, no Rio de Janeiro, desde 1999. É a única feira de livros dedicada exclusivamente a obras de literatura infantil e juvenil, com lançamentos de livros, encontros com autores, performances de ilustradores e um seminário dirigido ao público adulto. Este ano, o evento acontece de 28 de maio de 8 de junho.
“A literatura, se construída de fantasia, é feita do que não temos. Só fantasiamos sobre o que sonhamos. Fantasiar é noticiar ao mundo que ainda tenho desejos. Fantasiar é festejar a vida”. Bartolomeu Campos de Queirós – “Para Ler em Silêncio”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

OS ÚLTIMOS SOCIALISTAS Ou por que perseguir os povos indígenas?

Esses dias lancei um vídeo falando sobre a importância da FUNAI para os povos indígenas. Fiz no ímpeto de aproveitar o momento e deixei passar alguns pensamentos que só depois me ocorreram. É que não ouvi os discursos da posse no mesmo dia em que foram proferidos. Dia primeiro de janeiro não é um dia bom para ouvir discursos por melhores que sejam. “Domingo eu não sofro”, canta Bethânia e um de seus discos. É a minha regra também. Dia feriado para mim é domingo. No dia seguinte fui alertado para o fato de que o governo tinha baixado uma MP em que transferia parte da Funai para o ministério da agricultura e a outra parte para o da família. Ficamos entre duas ministras que têm gana em destruir o meio ambiente. Uma é a musa do veneno e, a outra, a musa da goiabeira. Acontece que fui ler os discursos e vi o que parece óbvio para todos: um presidente eleito e empossado repetindo discursos de campanha como uma criança mimada que não sabe brincar de outra coisa. Foi, então, que atinei para …