Pular para o conteúdo principal

Páscoa é Passagem...



Lembro que o primeiro texto que tive coragem de mostrar para meu professor de português foi sobre a páscoa. Eu tinha por volta de 16 anos de idade e fazia o primeiro ano colegial (ensino médio hoje).
Vivendo num ambiente extremamente religioso e imbuído do espírito pascal que a escola me proporcionava, redigi uma redação onde colocava o que eu considerava o verdadeiro sentido da minha fé juvenil: conversão, mudança, transformação. Falei sobre isso com a desenvoltura de um teólogo e tomei coragem de apresentar ao saudoso professor Benedito, homem com espírito de mestre. Ele tomou meu texto nas mãos e leu sem esboçar nenhuma reação que demonstrasse gostar ou desgostar do que estava escrito. Ao final ele fitou-me nos olhos e disse sem rodeios: - Vá reproduzir no estêncil a álcool e passe cópias para seus colegas de classe. Seu texto é muito emocionante!
Não soube o que dizer. Fiquei numa felicidade tamanha! Não consegui esconder meu contentamento, dei um forte abraço no professor e corri para o local onde ficava o mimeógrafo e as máquinas datilográficas. Eu queria ver meu texto pronto. No dia seguinte entreguei para que cada colega de classe pudesse tê-lo em mãos na hora da leitura conjunta. Não lembro muito qual foi a reação da classe e, confesso, não me importava nem um pouco. A felicidade que sentia me enchia de satisfação e os olhos de meu professor marejando de emoção não saiam de minha cabeça.
Depois disso não recordo de ter escrito qualquer texto que tenha valido a pena enquanto durou minha vida escolar. O certo é que o olhar imperceptível de meu professor me fez um bem danado. Nunca disse isso a ele, mas sua atitude arrancou de mim o medo de escrever e, o que é mais difícil, mostrar a outras pessoas. Perdi o receio delas não gostarem ou criticarem meu estilo.
Aquela Páscoa foi para mim um momento marcante. Talvez tenha sido um sinal do que viria acontecer depois. Talvez tenha sido uma provocação divina para mim. Não sei ao certo e nunca irei saber. Talvez tenha sido apenas a inspiração necessária para iniciar um caminho que sequer sabia qual era. Não importa. O fato é que comecei a gostar da Páscoa pelo que ela representava para minha fé: um momento de passagem da morte para a vida; do sofrimento para a alegria; da angústia para a liberdade; da solidão para a glória. Tudo isso passou a repercutir dentro de mim com a mesma certeza do olhar do professor que me fizera crer na minha capacidade de me comunicar de forma escrita. Nesse dia, eu também ressuscitei. E passei a mirar os detalhes. E a notar as coincidências da vida. E a me abrir para o desconhecido. E a dizer sim sempre que o não era mais forte.
Desde então procuro não perder a linda celebração que antecede o domingo pascal. É um ritual que enaltece toda a história da fé cristã. É uma celebração que emociona porque me coloca em sintonia com o princípio de tudo. Penso que é a mais indígena de todas as celebrações da igreja, pois ela canta a história de uma pessoa que viveu plena e radicalmente sua humanidade. No dizer de Leonardo Boff: “Jesus era tão humano que só podia ser Deus”.
Feliz Páscoa a todos nós!

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…