Pular para o conteúdo principal

Cenas da novela “eu só quero outro rabo no jumento!”




Estamos vivendo, em Lorena, uma verdadeira novela. Impossível ficar indiferente a uma novela tão cheia de surpresas e capítulos.
Uma novela que poderia se chamar “eu não quero pagamento Nascimento, só quero outro rabo no jumento”, parodiando uma antiga canção popular cuja letra falava sobre o roubo do rabo do jumento por um tal Nascimento. O dono do referido animal cobrava providências para o problema lembrando que não poderia aceitar um pagamento em troca da ausência daquela parte anatômica de amado jumento. Dinheiro não, Nascimento. Eu quero outro rabo!
Os personagens da novela seriam o povo, o jumento; Nascimento, a câmara municipal e seu presidente; os prefeitos, o rabo. O dono do jumento, o judiciário. Não necessariamente nesta ordem.
Cena um
Durante longo período o jumento está caminhando pelas ruas malcuidadas, o sistema de saúde doente, o ambiente maltratado quando Nascimento aparece  e promove uma revolução.
- O jumento não pode mais ficar com este rabo, pois ele está sujo. Teremos que cortá-lo para nosso próprio bem [quer dizer, o bem da cidade].
O jumento fica impassível enquanto cortam seu rabo. O dono do jumento finge que nada vê.
Cena dois
No lugar de um rabo – e para contentar o jumento – Nascimento coloca outro. Diz:
- Com este rabo o jumento ficou mais bonito. Agora as coisas vão melhorar e muito.
O jumento faz festa, solta fogos de alegria,  afinal se sentia feia, descuidada, suja, malvista pelos jumentos da região e agora tudo seria diferente. Passados alguns dias, no entanto, sente saudade de seu antigo rabo que mesmo arrancado continua a agir nos bastidores reclamando ao dono do jumento, seu lugar. Finalmente o dono se sente importunado e entra em cena.
Cena três
O dono do jumento percebe que algo está errado em seu animal. O Primeiro rabo tem legítimo poder de permanecer no lugar da traseira do bicho. Diz em alta voz:
- Nascimento, este rabo que você colocou no jumento não é legítimo. Você tem que devolver o rabo que cortou. O lugar dele é na traseira do jumento [que até esta hora não tinha nem notado a diferença].
Nascimento retruca:
- O primeiro rabo foi tirado após longa deliberação, estudos jurídicos. Ele não faz jus ao lugar na traseira do jumento. Nós pagamos pra ver.
O dono, no entanto, não aceitou o argumento.
- Negativo. O primeiro rabo tem mais direito. Eu não quero pagamento, Nascimento, eu quero é outro rabo no jumento.
E assim o primeiro rabo foi devolvido ao seu lugar. Dizem que quando assumiu, num final de tarde de uma sexta feira, o feliz primeiro rabo foi bater ponto em seu posto médico. Sentia que agora fora desvitimizado e poderia, finalmente, prestar um bom serviço ao jumento. Ele era um rabo feliz que iria viver o resto de seu mandato balançando a fim de espantar as moscas do lindo traseiro de seu jumento.
O que ele não sabia é que o segundo rabo – ou vice rabo, se preferir – estava trabalhando para não deixar que o rabo titular assumisse. Chamou Nascimento – que a esta altura já queria que o primeiro rabo ficasse pregado no traseiro do bicho – e disse que ele tinha feito tudo errado...e foi se queixar com o dono que ficou mais perdido que cego em tiroteio e já não sabia qual papel assinar.
Cena quatro – final
O dono do jumento procura Nascimento e diz que ele deve decidir, pois cabe a ele constitucionalmente contornar a situação. Qual dos rabos, afinal, deve enfeitar o traseiro do jumento? Se não decidir o dono deverá resolver à revelia.
Nascimento fica em polvorosa. Está convencido, agora, que o melhor seria deixar o jumento sem rabo e, talvez, colocar um rabo tampão que, em ultimo caso, será o próprio Nascimento.
- Ui – diz o jumento que continua sem sair do lugar amargando sarnas [crack], pulgas [violência], feridas [ruas sujas e meio ambiente sem cuidado], verminose [sistema público de saúde], entre outras coisas.
O jumento está atônito. Pensa em mudar tudo mas, no fundo, sente falta de um rabo que comande sua cabeça.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…