Pular para o conteúdo principal

CICLO DE DEBATES: “PSICOLOGIA E POVOS INDÍGENAS”

O Conselho Regional de Psicologia SP – Subsede Baixada Santista e Vale do Ribeira convida psicólogos, professores e estudantes de psicologia para:

Em continuidade às ações em curso nos últimos anos, a Subsede Baixada Santista e Vale do Ribeira do Conselho Regional de Psicologia de São Paulo - vem convidá-los para o Ciclo de Debates Psicologia e Povos Indígenas, nos dias 20, 21 e 27 de outubro, em Santos/SP, conforme programação apresentada abaixo.

A Psicologia tem sido convocada para enfrentar os desafios inerentes à promoção da saúde e educação indígenas, e para tanto se faz necessário qualificar cada vez mais a prática dos psicólogos nesse campo.

Desejando contribuir com a melhoria da qualidade de vida das comunidades indígenas, temos buscado aproximar os psicólogos dessa questão, favorecendo a interlocução da categoria com diversas lideranças indígenas e também com profissionais de outras áreas.

Com o propósito de fortalecer o debate dessa temática nas universidades, o evento constará de mesas redondas realizadas nos auditórios dos três cursos de Psicologia da Baixada Santista, região do estado que concentra a maior parte da população indígena de São Paulo.


CICLO DE DEBATES
“PSICOLOGIA E POVOS INDÍGENAS”



20/10 das 19:30h às 22:00h - UNISANTOS - Av. Conselheiro Nébias, 300 – Vila Mathias.

Tema: ATENÇÃO À SAÚDE INDÍGENA – PRINCÍPIOS E CONTROLE SOCIAL

LIDERANÇAS INDÍGENAS: Luiz de Souza Karaí; Guaraci Jorge Souza Gomes Uwedju
PSICÓLOGOS E INDÍGENAS, UMA APROXIMAÇÃO CUIDADOSA: Lumena Celi Teixeira
INDÍGENAS DO ESTADO DE SÃO PAULO E A ATUALIDADE DAS RELAÇÕES COM A SOCIEDADE NACIONAL: Márcio José Alvim do Nascimento
PRINCÍPIOS DAS POLÍTICAS DE SAÚDE VOLTADAS ÀS POPULAÇÕES INDÍGENAS: Carlos Alberto Coloma

Debatedora: Maria Izabel Calil Stamato
Obs: Esta mesa-redonda compõe a programação da 38ª Semana de Psicologia da UNISANTOS.


21/10 das 19:30h às 22:00h – UNIP - Av. Rangel Pestana, 147– Vila Mathias.

Tema: INTERCULTURALIDADE E IDENTIDADE ÉTNICA

LIDERANÇA INDÍGENA: Alcides Mariano Gomes
RECOMENDAÇÕES PARA ATUAÇÃO DE PSICÓLOGOS JUNTO AOS INDÍGENAS: Lumena Celi Teixeira
RELAÇÕES INTERCULTURAIS E A QUESTÃO DA IDENTIDADE: Rinaldo Sérgio Vieira Arruda
A EXPERIÊNCIA DE UMA PSICÓLOGA NO MATO GROSSO DO SUL: Fabiane de Oliveira Vick

Debatedor: Armando Farias Macedo Filho
Obs: Esta mesa-redonda compõe a programação da Semana de Psicologia da UNIP.


27/10 das 19:30h às 22:00h – UNIFESP - Av. Saldanha da Gama, 89 – Ponta da Praia.

Tema: A PSICOLOGIA FRENTE AOS DESAFIOS DA INTERCULTURALIDADE NA UNIVERSIDADE

LIDERANÇA INDÍGENA: Adolfo Timóteo
OS GUARANI FRENTE ÀS RELAÇÕES INTERCULTURAIS: Maria Lucia Brant de Carvalho
PERSPECTIVAS DE UM INDÍGENA PSICÓLOGO: Edinaldo dos Santos Rodrigues
A EPISTEMOLOGIA TRANSDISCIPLINAR NA APROXIMAÇÃO DA PSICOLOGIA AOS POVOS INDÍGENAS: Luiz Eduardo Valiengo Berni

Debatedora: Sylvia Dantas


MINICURRÍCULOS DOS CONVIDADOS:

• Adolfo Timóteo - Liderança guarani m’bya. Cacique da aldeia Rio Silveira, em Bertioga/São Sebastião
• Alcides Mariano Gomes - Liderança guarani m’bya. Cacique da aldeia Paranapuã, em São Vicente.
• Armando Farias Macedo Filho - Mestre em Saúde Coletiva, Coordenador do Curso de Psicologia da UNIP-Santos.
• Carlos Alberto Coloma - Médico (Córdoba, Argentina), com Ph.D. em Antropologia, formação em Antropologia Médica e Etnopsiquiatria (Universidade de Montréal, Canadá). Epidemiologista, com experiência em saúde indígena desde 1976 e em saúde mental indígena desde 1996.
• Edinaldo dos Santos Rodrigues - Graduando de Psicologia na Universidade Federal de São Carlos, Indígena da etnia Xukuru do Ororubá, Pesquisador das áreas temáticas: Educação Especial na Educação Indígena e Saúde Mental na Saúde Indígena da etnia Xukuru do Ororubá de Pernambuco.
• Fabiane de Oliveira Vick - Psicóloga pelo Centro Universitário da Grande Dourados-MS, é Responsável Técnica pela Área de Saúde Mental do Distrito Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul (DSEI-MS), da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI). Atua principalmente junto às comunidades Guarani-Kaiowá.
• Guaraci Jorge Souza Gomes Uwedju - Liderança tupi-guarani. É vice-presidente do Conselho Local de Saúde e representante dos tupi-guarani no Condisi-Lisul.
• Luiz Eduardo Valiengo Berni - Psicólogo, Doutor em Psicologia (USP), Mestre em Ciências da Religião (PUC-SP). Diretor da Thot Desenvolvimento Humano. Membro do Grupo de Pesquisa Estudos Transdisciplinares da Herança Africana, UNIP. Membro fundador do CETRANS - Centro de Educação Transdisciplinar. Conselheiro do CRP SP e coordenador do Grupo de Trabalho Psicologia e Povos Indígenas.
• Luiz de Souza Karaí - Liderança guarani m’bya. É vice-presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena do Litoral Sul - Condisi-Lisul, e presidente do Conselho Local de Saúde.
• Lumena Celi Teixeira - Psicóloga pela USP, Mestre em Psicologia Social pela PUC-SP. Co-fundadora e coordenadora de projetos do Centro Camará de Pesquisa e Apoio à Infância e Adolescência. Atua na Saúde Mental junto à Prefeitura Municipal de Santos. Professora e supervisora de estágios na Unisantos. Conselheira do CRP SP entre 2004 e 2010, continua membro do GT Psicologia e Povos Indígenas.
• Márcio José Alvin do Nascimento - Técnico Indigenista da FUNAI desde 1981, é Coordenador Técnico Local da FUNAI na cidade de São Paulo (abrange as aldeias da capital e de Bertioga/São Sebastião). Pós-Graduado em Povos Indígenas do Brasil, pela UNESP, e em História, pela Faculdade Don Domenico. Trabalhou com os Povos Indígenas dos estados de MT, RS, PR e atualmente de SP.
• Maria Izabel Calil Stamato – Mestre e Doutora em Psicologia Social pela PUC-SP, Coordenadora do Curso de Psicologia da UniSantos,
• Maria Lucia Brant de Carvalho - Antropóloga da Coordenação Técnica Local da FUNAI desde 1985, vem trabalhando com os Guarani de SP, RJ e PR desde 1990. Mestre em Antropologia Social pela PUC e doutoranda em Geografia Humana na USP. Atualmente é responsável por localizar terras para as comunidades Guarani da cidade de São Paulo (Tekoa Pyau, T. Krucutu e T. Tenondé Porã) como medida compensatória pelos impactos provocados pelo Projeto Rodoanel Mario Covas.
• Rinaldo Sérgio Vieira Arruda - Professor do Programa de Estudos PósGraduados em Ciências Sociais da PUC-SP; coordenador do Núcleo de Estudos de Etnologia Indígena, Meio Ambiente e Populações Tradicionais da PUC-SP. Tem atuado em pesquisas e projetos com povos indígenas na região amazônica, ligados aos temas da territorialidade, identidade e dinâmicas socioculturais.
• Sylvia Dantas - Coordenadora do grupo Diálogos Interculturais do Instituto de Estudos Avançados da USP IEA/USP e coordenadora do Núcleo de Estudos e Orientação Intercultural da UNIFESP.


Eventos gratuitos.

Inscrições no site: http://www.crpsp.org.br/santos/povosindigenas/
Informações: (13) 3235-2324 ou baixada@crpsp.org.br

Promoção e Realização:

Conselho Regional de Psicologia SP
Subsede Baixada Santista e Vale do Ribeira

Apoio:

Universidade Católica de Santos – UNISANTOS
Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP – CAMPUS BAIXADA SANTISTA
Universidade Paulista – UNIP

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…