Pular para o conteúdo principal

MONDAGARÁ: O ENCANTO LITERÁRIO DA FLORESTA

Por Luana Costa

            Hoje, a história de Mondagará Traição dos Encantados foi contada pelo escritor e contador de histórias Roni Wasiry Guará no Espaço Leitura da FNLIJ – Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, que acontece no Rio de Janeiro no Centro de Convenções SulAmérica até o dia 17. A história, que maravilhou dezenas de crianças vindas de escolas de Niterói, Rio e diversos municípios do Estado, é a de Mondagará, seu belíssimo livro, obra literária apoiada pelo NEARIN (Núcleo de Escritores e Artistas Indígenas do Inbrapi). Nascido em Boa Vista dos Ramos - Amazonas, e pertencente ao povo  indígena Maraguá, Wasiry vê na Literatura um instrumento eficaz e importante na transmissão dos conhecimentos de sua comunidade, além de uma via potente para transformar alguns estereótipos criados com relação ao indígena. “Não somos homogêneos, somos distintos uns dos outros; cada um tem sua língua, seus mitos, grafismos e significados, lendas e histórias distintas, cada uma com sua beleza peculiar, mágica”, afirma o autor. Mondagará Traição dos Encantados é prova disso. Em forma de remo, o Mondagará é um artefato sagrado cujos grafismos contam e guardam as histórias sagradas de seu povo. Ler os grafismos do Mondagará é mergulhar em uma vasta sabedoria ancestral, profunda e infinda, já que o remo é um instrumento utilizado não apenas para se locomover no rio, mas para “ir além”. Com seu livro, de fato vamos fundo nas histórias do povo Maraguá e tocamos em terrenos imaginários misteriosos e desconhecidos. Com delicadeza e cuidado, Waisiry tece uma rede de palavras capazes de enredar e embalar todos os jovens nessa instigante aventura, passada na nossa floresta brasileira. Impossível não se encantar. Deixamos então o convite: Que tal pegarmos nosso Maraguá e partirmos nesta expedição literária rumo às matas do Amazonas?

Roni Wasiry Guará autografando no stand da Ed. Formato
13º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens


* o Livro pode ser encontrado através da Livraria Saraiva.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…