Pular para o conteúdo principal

Projeto resgata tradições de aldeia indígena no sudeste do Pará

Iniciativa conta com oficinas de liguística e vídeo para retratar os costumes e as histórias dos antepassados do povo Parkatejê

Anderson Dezan, enviado especial a Marabá (PA) |
 Um projeto da mineradora Vale em parceira com a ONG Vídeo nas Aldeias tem resgatado as tradições da comunidade indígena Parkatejê, localizada no município de Bom Jesus de Tocantins, no sudeste do Estado do Pará. No mundo atual, os índios cursam faculdade, trabalham e até se candidatam a cargos políticos. Esses avanços, no entanto, acarretaram um enfraquecimento da cultura local. O projeto tem como meta não deixar a história se perder. 
Lançada em novembro do ano passado, a iniciativa conta com oficinas para que os jovens indígenas aprendam sua língua de origem, que não estava mais sendo utilizada. Nos encontros, coordenados por duas linguistas da Universidade Federal do Pará, são registrados em textos as histórias contadas pelo cacique Tomprãmre Jõpaipaire Krôhôkrenhum. Também são ensinadas técnicas de transcrição com foco no vocabulário Parkatejê.


Foto: Anderson Dezan/iG
Índio da comunidade indígena Parkatejê mostra como usar o arco e flecha

Foto: Anderson Dezan/iG
Crianças da tribo Parkatejê, no Pará, apontam arco e flecha para o alto de uma árvore
Livro e DVDA meta é reunir informações sobre esse povo, como costumes antigos, localização de antigas aldeias e aproximação da comunidade com o mundo não-indígena. O resultado dessas oficinas vai virar um livro com as memórias do cacique, chamado de “capitão”.


“Os jovens relatam que com esse trabalho eles descobriram que desconheciam o seu chefe. Não conheciam muitas partes da história do seu próprio povo, das suas origens. Isso tem gerado neles o desejo de conhecer a história do próprio povo”, diz a linguista Marília Ferreira. “Estamos trabalhando na construção de um livro que já existia na mente do capitão”, completa.

Foto: Anderson Dezan/iG
Cacique Parkatejê conduz um ritual na aldeia
Além das oficinas de linguística, os jovens aprendem técnicas de cinegrafia e captura de imagens com a ONG Vídeo nas Aldeias, especializada no registro histórico de comunidades indígenas do Brasil. Todas as histórias contadas pelo cacique e as manifestações culturais da aldeia, como danças, competições e rituais são gravados. O material vai virar um DVD, que assim como o livro, tem previsão para ficar pronto em novembro deste ano.


“Buscamos levá-los à reflexão. É um jogo de espelhos”, diz Vincent Carelli, secretário executivo da ONG Vídeo nas Aldeias. “Muitos povos indígenas perderam sua cultura por causa do preconceito do branco. Os índios eram vistos como diferentes. Eles começaram a ficar iguais aos que os criticavam e foram perdendo suas tradições”, avalia Antônio Venâncio, responsável pela relação da Vale com povos indígenas no Pará. “Hoje eles começam a enxergar a riqueza da própria cultura. Ao perder isso, o mundo está perdendo”, completa.


Jovens só querem saber de jogar futebol

Foto: Anderson Dezan/iG
Depoimento do cacique é gravado por aluno de oficina de vídeo do projeto de resgate das tradições da tribo
Com voz firme, o cacique Tomprãmre Jõpaipaire Krôhôkrenhum se diz feliz com o resgate das tradições Parkatejê. “Meu coração fica alegre ao ver a cultura ser retomada. Estou lutando para criar o meu povo”, diz o capitão, que não sabe a própria idade – fato comum entre os membros mais velhos da aldeia. “Não quero acompanhar a lei do branco. Quero acompanhar a nossa lei”.


Segundo ele, entre as principais dificuldades para fortalecer os costumes locais – como pescar e caçar – não estão somente os avanços do mundo moderno. A lista vai além e inclui algo genuinamente brasileiro, independente da origem étnica. “Esse povo só quer jogar futebol. A maioria não sabe caçar, só quer saber de bola”, brinca o capitão, mostrando seu senso de humor.
Foto: Anderson Dezan/iG
Criança da tribo Parkatejê, no Pará, brinca com estilingue

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…