Métodos levam em conta a cultura

Em Santa Catarina, vivem cerca de 10 mil indígenas das etnias Xokleng, Kaingang e Guarani. Os alunos índios são 2.180, atendidos por 35 escolas públicas estaduais específicas.

Ainda que exista influência do modelo da escola para os que não são índios, o método de ensino é específico e os professores recebem formação especializada para trabalhar com esta população.

– Uma das garantias é a língua materna em todos os níveis – explica Helena Alpini Rosa, técnica da equipe de Educação Escolar Indígena.

Isso inclui itens como artes (artesanato) e costumes. O trabalho na agricultura e atividades na casa de reza (templos) constam como curriculares. Seguindo as tradições, alguns feriados não são comemorados. Em compensação, o Dia do Índio tem as comemorações com encontros para debates acerca da realidade de cada povo.

Os Xokleng moram nos municípios de José Boiteux e Vitor Meirelles. Seus alunos estudam dentro da área indígena, em uma escola de educação básica, uma escola de ensino fundamental com extensão de ensino médio e uma escola com séries iniciais.

Os Kaingang residem nos municípios de Ipuaçu, Entre Rios, Chapecó, Seara, Porto União, Abelardo Luz e Concórdia. Estudam em uma escola de educação básica (Ipuaçu), uma escola de ensino fundamental e 16 escolas que atendem apenas as séries iniciais.

Fonte: Diário Catarinense