Pular para o conteúdo principal

Editora resgata cultura indígena da Amazônia


Kurumĩ Guaré, no Coração da Amazônia é uma das obras lançadas pela Editora FTD com temas indígenas

CAROLINE CANAZART
contato@agenciaamzonia.com.br
SÃO PAULO – Os povos indígenas nos remetem a origem de nossa cultura e sociedade, mas ao longo do tempo vimos esvaecer seus costumes e tradições, e hoje até mesmo seu povo luta para manter viva sua raiz nas novas gerações. No próximo dia 19 de abril é celebrado o Dia do Índio, e a Editora FTD apresenta em seu catálogo obras que apresentam a riqueza deste povo pelo olhar daqueles que viveram uma imersão, como o sertanista Orlando Villas Bôas e também de autores indígenas como Daniel Munduruku e Yaguarê Yamã.

O livro Orlando Villas Bôas – História e causos é uma autobiografia póstuma do famoso indigenista falecido em 2002 aos 88 anos. Trata-se de uma obra de fôlego, na qual Orlando relembra sua trajetória, da infância em Botucatu (SP) à aposentadoria na capital paulista, passando pelo extraordinário mergulho no mundo dos índios brasileiros que foi a Expedição Roncador–Xingu, liderada por Orlando com seus irmãos Cláudio e Leonardo.

No livro, Orlando faz pela primeira vez um registro sistemático de suas ideias e histórias, muitas delas já disponíveis de maneira dispersa em livros, entrevistas e reportagens. Só com o irmão Cláudio, por exemplo, Orlando publicou doze livros.

Outro que registrou suas experiências no Xingu foi Walde-Mar de Andrade e Silva, em Lendas e Mitos dos Índios Brasileiros. O livro reúne 24 lendas indígenas entre elas a de Potyra, Yara e Tucumã, conhecidas pelo autor durante sua convivência de oito anos com as principais tribos da região.

A Editora FTD também reúne em seu acervo obras de escritores indígenas como o renomado Daniel Munduruku. Em Um Estranho Sonho de Futuro, o autor se transforma em personagem para dar vida a história de um adolescente urbano que decide embrenhar-se em uma aldeia indígena.

KURUMÎ GUARÉ

Garoto tipicamente urbano, Lucas vai conhecer uma realidade completamente diferente. Um lugar aonde em vez de ir ao supermercado, as pessoas têm de caçar, pescar ou coletar frutos das plantas para se alimentar. E Lucas aprendeu muitas coisas com a experiência. Percebeu, por exemplo, que os indígenas são menos egoístas, mais acolhedores e sinceros do que os homens da cidade grande.

Outra obra que partilha as tradições e valores dos povos da floresta com as crianças e adolescentes, é a de Yaguarê Yamã que conta como foi sua infância no livro Kurumĩ Guaré, no Coração da Amazônia. Para facilitar a compreensão dos termos utilizados pelo autor, o livro apresenta um glossário com o significado das expressões e palavras do idioma Nhengatu e outro com a tradução dos símbolos e gravuras, desenhadas pelo próprio autor, e presentes na obra.



Entre os rituais descritos no livro, Yaguarê conta como superou o rito de passagem para a maioridade, o tukãdera. O ritual consiste em colher algumas formigas e colocá-las dentro de uma luva e o menino veste a luva e dança junto com a tribo. Tukãdera é o nome de uma espécie de formiga da Amazônia cuja picada é muito dolorosa, dez vezes mais dolorida que a picada de uma vespa. De acordo com a cultura indígena, após o ritual, o jovem rapaz está curado de doenças, indolência e principalmente do medo.

Serviço

Orlando Villas Bôas – História e Causos
Páginas: 216 (versão livro-arte) - Preço sugerido: R$ 85,70
Páginas: 206 (versão prática) – Preço sugerido: R$ 65,70

Lendas e Mitos dos Índios Brasileiros
Autor e ilustrador: Walde-Mar de Andrade e Silva
Preço sugerido: R$ 59,10

Um Estranho Sonho de Futuro
Autor Daniel Munduruku, com ilustração de André Sandoval
Páginas: 112
Preço sugerido: R$ 26,60

Kurumĩ Guaré, no Coração da Amazônia
Autor e ilustrador: Yaguarê Yamã
Páginas: 88
Preço sugerido: R$ 29,80

Editora FTD – SAC 0800-158555

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…