Pular para o conteúdo principal

Estação Digital é inaugurada no Amapá e no Pará

Projeto beneficiará cerca de sete mil habitantes do Amapá e Pará


Cotidiano Digital - Da Redação

Os povos indígenas do Amapá e Pará já contam com um aliado na sua integração com a realidade sócio-econômica local, indissociável das recentes inovações tecnológicas. No último dia 04, aconteceu a inauguração da Estação Digital da Apitikatxi (Associação dos Povos Indígenas Tiriyo, Kaxuyana e Tkikuyana).
Apesar da entidade representar oficialmente três etnias, a estação estará disponível às 10 etnias da região, que totalizam cerca de 7 mil habitantes (2003). Os equipamentos estarão à disposição dos indígenas para uso individual ou em grupo, em tempo integral. A expectativa é de que, com a estação digital, eles tenham acesso à formação em Informática, o que significa mais chances no mercado de trabalho. A estação, que teve um investimento de R$ 39,7 mil, foi financiada pela Fundação Banco do Brasil, por meio do Programa de Inclusão Digital.
A Estação Digital da Apitikatxi conta com 10 computadores, 10 web cams, 10 fones de ouvido com microfone, uma impressora, além de mesas, cadeiras, armários e quadros, entre outros itens. Conta, ainda, com internet paga por seis meses e assessoria de dois educadores sociais capacitados a ensinar tanto sobre as partes físicas do computador (CPU, monitor, armazenamento de dados, etc), quanto sobre ferramentas digitais como aplicativos de edição de textos, planilhas eletrônicas e internet. A previsão da associação é de que, em um ano, a estação possa capacitar 10 membros da Diretoria da Apitikatxi; e trinta jovens e adultos - entre estudantes indígenas, professores indígenas, agentes indígenas de saúde e de saneamento, guarda-parques indígenas e outros profissionais indígenas que moram ou transitam em Macapá (sede da Apitikatxi).
Para o presidente da associação, Juventino Kaxuyana, a estação representa a oportunidade de agregar mais competitividade profissional aos indígenas. "A utilização da Estação Digital com certeza dará oportunidade para muitos indígenas de se inserirem no mercado de trabalho e, principalmente, irá contribuir para melhoria das condições econômicas, sociais, culturais e políticas das comunidades do Amapá e norte do Pará, por meio do acesso as tecnologias de informação e de comunicação", enfatizou o presidente.
Segundo Juventino, existe pouca oferta de cursos de Informática aos povos indígenas. Os que existem não costumam contemplar efetivamente suas necessidades específicas. Dessa forma, a estação busca oferecer não só a inclusão digital, como também uma ferramenta de promoção da igualdade de oportunidades para os povos tradicionais.
Curso de Gestores
A Estação irá beneficiar, no período de um ano, 30 alunos do Curso de Formação de Gestores (Indígenas) de Projetos Indígenas do Amapá e Norte do Pará. O curso é responsável por formar quadros de recursos humanos indígenas para atuarem junto às suas respectivas comunidades. Eles passam a ser responsáveis por elaborar, executar e gerenciar projetos junto aos seus povos. A intenção é diminuir a dependência da aldeia em relação aos não-índios. A primeira turma do curso, composta por 30 alunos e cinco ouvintes, começou em outubro de 2008 e terá uma formatura em fevereiro de 2010. Esse projeto também é financiado pela Fundação Banco do Brasil, além do Ministério do Meio Ambiente, Associação dos Povos Indígenas Wajãpi do Triangulo do Amapari (Apiwata) e pelo Programa Integrado de Ações Sócio-Ambientais da Amazônia Oriental (Parceiro).


http://www.cotidianodigital.com.br/menu_05/noticia.asp?id=618

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…