Pular para o conteúdo principal

AUMENTO DE CANDIDATOS INDIGENAS EN 2010

POR PAULO GIULIANO    SAN PABLO, 26 (UPI) - As eleições de 2010 deveriam ter aumento candidatos indígenas aos conselhos municipais, prefeitos, deputados e senadores, que irá definir a intenção de acesso a posições formais de poder por parte da população Brasileiro originalmente estimado em 750.000 pessoas de 220 grupos étnicos falando 180 línguas diferentes.
A realidade das tribos no gigante sul-americano tem diferenças importantes: este mês um ano que marcou o Superior Tribunal Federal (STF) para reembolsar o pedido do governo Índios da reserva Raposa Serra do Sol contra a resistência dos agricultores brancos que ocuparam o local, a fronteira Guiana e Venezuela.
Por outro lado, no outro extremo do país, perto da fronteira com o Paraguai, disputas de terra entre os produtores indígenas agrícolas e criou a maior onda de violência, homicídios e suicídios entre os Guarani-Kaiowá em todas as suas história, por causa da invasão dos não-indígena eo encolhimento de suas terras.
Foram 42 assassinatos e 30 suicídios Guarani Kaiowá do no ano passado.
"Os índios brasileiros que precisam ser compreendidas ocupando posições nas áreas do poder público. Já mais de 2000 universitários, a maioria especializado em direito ", Daniel disse à ANSA Munduruku, escritor e licenciado em filosofia, história e antropologia da Universidade de São Paulo (USP).
Munduruku é de uma tribo, no estado do Pará e dirige o Instituto Indígena Brasileiro de Propriedade Intelectual (INBRAPI), que combate o roubo, chamando biopirataria, o conhecimento da flora e da fauna amazônica povos nativos pela indústria farmacêutica e cosméticos, nacionais e internacionais.
Para Munduruku, o Estado brasileiro precisa de um controle mais as empresas, ONGs, universidades que buscam contato com os índios a adquirir seus conhecimento, ou seja, a sua propriedade intelectual para fins de lucro.
O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, "muito melhor do que os anteriores, mas era menos do que o desejado" na política indígena, por exemplo, continuar sem colocar um indígena à frente da Fundação Nacional Índio (FUNAI), o sector das agências de Estado.
Atualmente 12,5% do território brasileiro é formado para as reservas para os índios. Aqueles do lado de fora estes territórios indígenas são chamados de "isolados" (não tiveram contato com o atual alvo) e os ainda contestada nos tribunais da propriedade da terra com agricultores.
Sem dúvida, a crédito do governo do presidente Lula Os povos nativos é a transferência formal da terra da reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, extremo norte. Em dezembro de 2008, teve que deixar alguns 10.000 produtores de arroz branco que tinham ocupado a terra nas últimas décadas e morto durante a dois litígios indígenas durante uma invasão na forma de vingança.
A reserva tem cerca de 17.000 km2 e é o lar de 20.000 cinco tribos indígenas. Em 2008 os índios foram escolhidos etnia Macuxi como prefeitos Uiramutã e Normandia, ambos dentro da reserva Raposa Serra do Sol
"Nós participamos cada vez mais sobre as eleições", disse ANSA Macuxi o fundador-chefe da Coordenação Indígena Roraima, Jair José de Souza, que agora vive e produz alimentos dentro da reserva indígena, que se tornou um emblema internacional até 2008, pela luta pela terra Brasil.
"Desde que foram os agricultores de arroz, a situação melhorou suficiente para nós. Nós estamos olhando agora para retirar o Mulheres indianas casadas com brancos. No aspecto da produção, nós levantamos bovinos e aves ea planta de arroz sem agrotóxicos e feijão, "ele disse.
A reserva indígena, como o Jair chefe, é auto-suficiente. Só vende os seus produtos na cidade de Boa Vista, capital Roraima, com o objetivo de compra de caminhões e vans e os instalação de postos de saúde e escolas.
Os filhos são educados e reserva indígena Quanto às questões de saúde, muitas vezes chamado de "médico brancos "para curar doenças de fora da região reserva, onde vivem tribos Ingar, Macuxis, Patamona, Taurepang e uapixanas.
O chefe, conhecido por liderar a luta pela contra a terra do arroz desde 1977 na reserva, disse que O presidente Lula foi convidado para um memorial em abril para entrar na reserva. "Ser um não-índio, nós agradecer a Lula porque a terra demarcada em 2005 e nunca inverteu, apesar de todas as pressões ", disse ele.
Segundo o presidente da Funai no estado, a presença Política indigenista "é muito positivo, na balança sobre a participação nas eleições de 2010. Em 1982, o Congresso teve como seu primeiro MP indígenas.
O candidato do Partido Verde deputado federal terá que Almir Suruí, Rondônia, Júlio Macuxi, de Roraima e Sandro Tuxa, Bay, se forem aprovadas por suas aldeias.
Na última eleição municipal em 2008, indígenas 6 escolher prefeitos e 90 conselhos municipais. Em São Gabriel da Cachoeira, estado do Amazonas, norte-final a oeste, perto da fronteira com a Venezuela ea Colômbia, o prefeito, o vice-prefeito e vereadores são todos índios.        GAT

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…

Garimpo invade bacia do Tapajós

por


Os riscos apontados para a bacia do Tapajós deixam claro que a região amazônica, apesar do aumento nos índices de queda no desmatamento, continua a ser tratada como o grande almoxarifado de recursos naturais do planeta. As ações planejadas para a maior bacia hidrográfica do mundo não se restringem a planos de construção de uma sequência de usinas rios adentro. Bastou o governo informar que parte das terras que pertenciam às unidades de conservação da Amazônia havia sido desvinculada das áreas protegidas para que se tornassem alvo de ações de garimpo e extrativismo ilegal. A reportagem é de André Borges e publicada pelo jornal Valor, 26-07-2012. A pressão cresceu e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tem procurado controlar a situação e deter a entrada de pessoas na região, mas seu poder de atuação ficou reduzido, porque está restrito às áreas legalmente protegidas. “Com a desafetação (redução) das áreas, muita gente está se mexendo para…