Pular para o conteúdo principal

Parceria entre prefeitura e Funai garante produção agrícola na comunidade

Da PMR

Auxiliar na produção da lavoura indígena da Aldeia Tadarimana. Este foi o objetivo do encontro realizado nesta sexta-feira (25), entre a Secretaria de Agricultura e Pecuária de Rondonópolis, representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e a comunidade da aldeia. O secretário Valdir Correia firmou a parceria com a Funai e cedeu máquinas e produtos para que os índios não percam o período de plantio e iniciem os trabalhos no mês de outubro.

Valdir Correia anuncia que na próxima semana dois tratores vão fazer a limpeza dos terrenos e o preparo do solo. “São 33 hectares para a produção de arroz, cinco para o milho, além de mais um espaço para o cultivo de cana-de-açúcar e mandioca”, fala.

“A manutenção dos terrenos e a colheita da lavoura vai ficar por conta da comunidade indígena”, lembra o secretário. De acordo com Valdir, o município vai estudar o projeto orçado em R$ 40 mil entre sementes e fertilizantes, com a representante da Fundação e avaliar quais serão as funções que a Funai deve desenvolver.

A administradora do Núcleo de Apoio Local da Funai em Rondonópolis, Ana Clara de Oliveira, reconhece que a Fundação passa por uma nova estruturação. “O projeto para a produção da lavoura indígena está passando pelo pregão, mas vamos ajudar no que for possível”, disse.

Para o cacique da aldeia Tadarimana, Cícero Kudoropa, a parceria é válida. “O que não queremos é que aconteça como na última colheita, onde só o município nos ajudou. A Funai tem que auxiliar também”, conclui.

Comentários

  1. Caro escritor Daniel,

    Não o conhecia nem de nome até uns dois dias atrás. Uma conterrãnea minha, porém, voltou muito empolgada com suas palavras de um encontro que aconteceu em Natal, voltado para o letramento. Arrepiava-se quando expunha, à sua maneira, suas considerações sobre o tempo. Depois vi menções a seu nome em um dos nossos jornais. Procurando-o na net, achei seu blog e li aquilo que julgo ter sido dito por você no encontro, no texto sobre tempo e trabalho. Lerei também os outros textos. Embora já ame os livros que ainda escreverá (rsrsrs) você está certo sobre o presente. Carpe Diem, não é mesmo? Abraços, Daniel, e sucesso em seu trabalho!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

Abordagem da cultura indígena nas obras de Daniel Munduruku

por Fernanda Faustino | 08/01/2013 Daniel Munduruku: “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles” “Meu interesse ao escrever um livro é dialogar com crianças e jovens. Procuro encontrar um cantinho na cabeça deles”, diz Daniel Munduruku, escritor indígena graduado em filosofia e educador social, ao abordar a reprodução da cultura indígena e o processo de criação de suas obras. Com mais de 40 livros publicados, Daniel esteve em vários países da Europa, participando de conferências e ministrando oficinas culturais para crianças, com o intuito de dialogar sobre a cultura indígena. Ele conta que nunca escolheu ser escritor, contudo, o fato de ter algo a dizer sobre seu povo o motivava a fazer com que sua própria história e a de seus ancestrais fosse registrada e disseminada. “A escrita foi tomando conta de mim e, aos poucos, fui me aceitando: aceitando o fato de que minha escrita tem algo a dizer, aceitando ser dono …

OS ÚLTIMOS SOCIALISTAS Ou por que perseguir os povos indígenas?

Esses dias lancei um vídeo falando sobre a importância da FUNAI para os povos indígenas. Fiz no ímpeto de aproveitar o momento e deixei passar alguns pensamentos que só depois me ocorreram. É que não ouvi os discursos da posse no mesmo dia em que foram proferidos. Dia primeiro de janeiro não é um dia bom para ouvir discursos por melhores que sejam. “Domingo eu não sofro”, canta Bethânia e um de seus discos. É a minha regra também. Dia feriado para mim é domingo. No dia seguinte fui alertado para o fato de que o governo tinha baixado uma MP em que transferia parte da Funai para o ministério da agricultura e a outra parte para o da família. Ficamos entre duas ministras que têm gana em destruir o meio ambiente. Uma é a musa do veneno e, a outra, a musa da goiabeira. Acontece que fui ler os discursos e vi o que parece óbvio para todos: um presidente eleito e empossado repetindo discursos de campanha como uma criança mimada que não sabe brincar de outra coisa. Foi, então, que atinei para …