Usina demite 200 índios sem pagar salário e encargos

O Sindicato dos Trabalhadores na Industria de Alimentação de Campo Grande e Região irá ingressar com ação na Justiça do Trabalho cobrando o pagamento de salários, encargos trabalhistas e outros direitos a cerca de 200 índios da etnia Terena. Eles eram contratados da Usina Santa Olinda, no distrito de Quebra-Coco, em Sidrolândia, a 70 quilômetros de Campo Grande.

Os indígenas trabalhavam no corte de cana-de-açúcar e teriam sido demitidos sem receber o último salário, 13º e férias proporcionais, FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). A denúncia foi feita pelo presidente da entidade, Rinaldo de Souza Salomão.

Em média, cada trabalhador recebe R$ 620 por mês para trabalhar no corte de cana. Salomão estima que cerca de 1,1 mil pessoas trabalhem na usina, incluindo-se de 500 a 600 pessoas apenas na colheita do produto.

O advogado do sindicato ingressará com ação cobrando os direitos trabalhistas nesta semana na Vara de Justiça do Trabalho em Aquidauana, a 138 quilômetros da Capital. Além disto, o sindicalista informou que está percorrendo as aldeias para verificar se existem mais trabalhadores demitidos sem receber pelos seus direitos.

Fonte: Campo Grande News

Postagens mais visitadas