Aplicação da Lei Maria da Penha entre povos indígenas será discutida no Amazonas


Proposta é ampliar a participação masculina nos debates  sobre a 

 legislação que coíbe a violência doméstica

ELAÍZE FARIAS

Reunião em Brasília onde indígenas discutiram e definiram calendário regional de eventos sobre Lei Maria da Penha
Reunião em Brasília onde indígenas discutiram e definiram calendário regional de eventos sobre Lei Maria da Penha (Divulgação/Funai )
A aplicação da Lei Maria da Penha entre os povos indígenas vai ser discutida em todas as regiões do país durante seminários e oficinas de capacitação promovidos pela Fundação Nacional do Índio (Funai) marcados para começar em abril.
O calendário foi discutido em reunião encerrada nesta sexta-feira (18), em Brasília. A proposta é incorporar os homens indígenas nos debates.
Miquelina Barreto, gerente das mulheres da Secretaria Estadual dos Povos Indígenas (Seind) disse que a capacitação de mulheres para que elas possam atuar nos comitês regionais da Funai como agentes multiplicadoras serão realizadas a partir de abril.
Na região Norte, tanto os seminários quanto as capacitações estão marcadas para ocorrer em junho, em Manaus.  
Segundo Miquelina, que também é integrante do Departamento de Promoção aos Direitos dos Povos Indígenas (Depi) da Seind, a discussão sobre a Lei Maria da Penha é necessária porque ela precisa levar em consideração as diferenças culturais não apenas entre o indígena e o não-indígena, mas também entre os próprias etnias, que também se distinguem entre si.
“A gente quer buscar uma forma de aplicar a Lei Maria da Penha. Mas cada povo tem sua tradição e cada um deles tem sua especificidade”, disse ela, em entrevista por telefone, de Brasília, ao portal acritica.com.
De acordo com o secretário adjunto da Seind José Mário Mura, que também esteve presente nas discussões em Brasília, a retomada dos debates sobre a Lei Maria da Penha vai priorizar a participação masculina. Segundo ele, "agora é a vez dos homens". 
Violência 
A Lei Maria da Penha foi decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo Governo Lula em 7 de agosto de 2006.
Ela cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher.
A lei dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar.
Fonte: A crítica.com

Postagens mais visitadas