Pular para o conteúdo principal

Acadêmico Terena da UCDB foi eleito melhor da turma de Direito

 
Luiz Henrique Eloy Amado, indígena da etnia Terena, recebeu medalha de mérito de melhor acadêmico do curso de Direito 2011/A, turma matutina. A medalha foi entregue pelo reitor da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Pe. Jóse Marinoni, durante a colação de grau ontem, dia 2 de agosto. Foram homenageadas também outras duas acadêmicas, em segundo e terceiro lugares. Os critérios foram maior média, maior nota de monografia, melhor nota no estágio e menor número de faltas no decorrer do curso.
Nascido na aldeia Ipegue, que fica em Taunay, distrito de Aquidauana, Luiz iniciou o curso na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e desde o segundo semestre passou a estudar na UCDB. Ele foi representante dos acadêmicos indígenas do projeto Rede de Saberes da UCDB, nos anos de 2010 e 2011. Em sua trajetória acadêmica relacionou seus estudos com as necessidades de sua comunidade, ministrando curso de Direito Indigenista, promovido pelo Rede de Saberes. Além disso, estudou o caso da Terra Indígena Raposa Serra do Sol em seu trabalho de conclusão de curso, área que visitou na semana passada em viagem apoiada pelo Rede de Saberes.
Tendo passado na primeira fase do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o acadêmico Terena estuda para passar na segunda e ainda pretende concorrer à vaga no mestrado em Desenvolvimento Local da UCDB, no qual deseja continuar estudando a temática indígena, além de advogar as causas indígenas.

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO

MINHA VÓ FOI PEGA A LAÇO Pode parecer estranho, mas já ouvi tantas vezes esta afirmação que já até me acostumei a ela. Em quase todos os lugares onde chego alguém vem logo afirmando isso. É como uma senha para se aproximar de mim ou tentar criar um elo de comunicação comigo. Quase sempre fico sem ter o que dizer à pessoa que chega dessa maneira. É que eu acho bem estranho que alguém use este recurso de forma consciente acreditando que é algo digno ter uma avó que foi pega a laço por quem quer que seja. - Você sabia que eu também tenho um pezinho na aldeia? – ele diz. - Todo brasileiro legítimo – tirando os que são filhos de pais estrangeiros que moram no Brasil – tem um pé na aldeia e outro na senzala – eu digo brincando. - Eu tenho sangue índio na minha veia porque meu pai conta que sua mãe, minha avó, era uma “bugre” legítima – ele diz tentando me causar reação. - Verdade? – ironizo para descontrair. - Ele diz que meu avô era um desbravador do sertão e que um dia topou com uma “tribo” sel…

“O DIA DO ÍNDIO É UMA FARSA CRIADA COM BOA INTENÇÃO”

Por ÁTICA SCIPIONE | Em 19/04/2012 Autor de mais de 40 livros infantojuvenis adotados em escolas de todo o país, Daniel Munduruku fala nesta entrevista sobre preconceitos à cultura indígena e sobre a educação para a diversidade.

Daniel Munduruku, índio e escritor

Postado no Blog da TV CULTURA
28/07/2009 | 18h00 | Mariana Del Grande

Daniel Munduruku é o maior escritor indígena do Brasil. Graduado em Filosofia e doutorando em Educação na Universidade de São Paulo, ele tem 34 livros publicados e seu nome ocupa as prateleiras das melhores livrarias do país.

Diferente da maioria dos índios, que ainda lutam para derrubar conceitos antiquados em relação as suas culturas e tentam conseguir espaço para mostrar as tradições, Daniel Munduruku vive da literatura indígena e conseguiu um feito inédito: seus livros são adotados em diversas escolas públicas e particulares de todo o país! Um passo gigante em direção ao futuro: nossas crianças já começam a conhecer o índio de verdade, ao invés daquele ser nu, limitado e inferior que, durante cinco séculos, povoou a imaginação da sociedade brasileira.

Leia abaixo alguns trechos da entrevista que Daniel Munduruku concedeu ao Blog do A’Uwe por e-mail.



Visite o site do escritor: www.danielmunduruku.com.br

Em breve a Loja…